A influência do preço do petróleo na economia

O preço do barril de petróleo está, há cerca de um ano, variando entre US$ 40 e US$ 50, mas nem sempre foi assim. Depois de 2009, em que o mundo começou a apresentar sinais de melhora da crise que acabara de enfrentar, o barril chegou a custar, em abril de 2011, US$ 123. Essa queda de cerca de 60% nos preços afetou economias inteiras em um curto espaço de tempo. Com a mudança, percebe-se como o petróleo está atrelado às nossas vidas e à economia.

Mas como essa queda nos preços influenciou o mundo? E como um possível aumento dos preços para o patamar de US$ 100 pode afetar as economias e a população dos países?

A queda que ocorreu nos últimos anos teve efeitos positivos e negativos para os países. Os positivos são para a população mundial, de um modo geral, e para os países importadores de petróleo. Tanto para quem importa como para quem exporta, com o preço do barril mais barato, seus derivados também ficam mais baratos, e isso empurra os preços de todos os outros produtos para baixo, gerando um maior poder de compra para a população.

Do lado negativo, temos que essa queda nos preços, se não for bem controlada, pode gerar deflação. Outro ponto negativo é para os países produtores de petróleo. Para estes, a partir de certo ponto, fica desvantajoso extrair e refinar o petróleo, pois o valor de venda fica mais baixo que seus custos.

Um exemplo desses dois casos negativos foram os Estados Unidos e os Emirados Árabes Unidos. Nos Estados Unidos, com a queda do preço do petróleo, a inflação recuou muito, chegando ao ponto de o Fed se preocupar para não chegar a uma deflação. Nos Emirados Árabes Unidos, houve uma queda grande em suas receitas, pois uma das principais fontes de renda vinha da venda de petróleo.

Agora, caso o preço do barril de petróleo volte a subir, teremos basicamente o inverso dos efeitos acima. Em curto prazo, para países exportadores, e que têm sua renda atrelada a isso, como no Brasil, voltará a ser vantajoso extrair e refinar o petróleo, aumentando a receita do país. Já para os países importadores, suas dívidas externas tenderão a subir significativamente, pois será mais caro comprar o petróleo.

No médio-longo prazo, e mantendo constante todos os outros fatores que influenciam o PIB de um país, o produto interno bruto começará a retrair, além de um aumento na inflação e no desemprego. Isso se dá, pois, com o aumento generalizado dos preços, os custos para a população crescerão, e será necessário um aumento salarial. Este aumento dos salários fará com que os preços dos produtos fiquem ainda mais altos, e isso aumentará os custos da população, com a demanda de um novo aumento salarial. Isso, somado a outros fatores da economia, faz com que o país tenha um constante crescimento de sua inflação.

Como pode ser visto, os efeitos da mudança do preço do petróleo sobre a economia mundial podem ser significativamente positivos ou negativos, dependendo do rumo que os preços tomarem. É por isso que se faz tão necessário o estudo de formas de substituir o petróleo como principal fonte de energia. Só assim, diminuiremos os riscos que ele traz para a economia.

 

Arthur Monteiro: Estudante de Contabilidade do Ibmec. Analista de Mesa de Operações do Centro de Estudos de Mercados de Capitais, empresa junior vinculada ao IBMEC.

Deixe uma resposta