5 perguntas sobre o Novo Cenário Econômico

Atualmente, pouco mais de seis meses do início do governo Michel Temer, o cenário político interno continua conturbado, o que mexe com as expectativas econômicas para 2017. Neste “5 perguntas”, o economista da Órama e professor do Ibmec, Alexandre Espirito Santo, explica alguns gargalos do cenário brasileiro e indica caminhos para um ciclo virtuoso.

1 – Alexandre, qual é o cenário agora?

Alexandre Espirito Santo: Após seis meses de governo Michel Temer, ainda não conseguimos reverter a recessão e o cenário permanece complicado. O crescimento foi adiado para 2017. Os principais indicadores da economia, como o PIB, a taxa de investimentos e o consumo das famílias, estão há vários trimestres consecutivos em queda.

 

2 – Por que a expectativa de reversão da economia não ocorreu nestes últimos seis meses?

AES: A equipe econômica “vendeu” a ideia de que, para melhorar, era preciso acertar minimamente as contas, aprovando a PEC dos gastos e sugerindo reformas, como a da Previdência. Tais medidas, embora necessárias, são contracionistas no curto prazo. O que a equipe provavelmente imaginou é que a melhora nas expectativas dos agentes econômicos empurraria o investimento privado para cima e voltaríamos, gradativamente, a crescer. Só que isso ainda não ocorreu, pois as empresas estão muito endividadas.

 

3 – Isso enfraquece a equipe econômica?

AES: O presidente Temer parece ansioso; é natural. Mas, se esvaziar sua equipe econômica, será um tiro no pé. Há um consenso entre os economistas, mesmo os mais ortodoxos, que é preciso ousadia nesse momento. O problema é se a equipe está confortável o suficiente para ser audaz, como a urgência da situação requer.

 

4 – Qual é o principal gargalo?

AES: A PEC do teto, já aprovada, é uma medida importante, mas não suficiente para uma reversão sustentada, pois o pior problema é a previdência. Se nada for feito, em menos de uma década o buraco com aposentadorias, mais o pagamento da folha salarial do governo, consumirá toda a receita e faltarão recursos para investimentos fundamentais, como em saúde e educação.

 

5 – Como mudar este quadro?

AES: A economia parece estar com um enfisema, morrendo asfixiada. É preciso oxigenar fortemente o ambiente econômico. O Banco Central deveria, com audácia, promover reduções mais intensas na Selic, pois, com a recessão atual, a inflação não deve ameaçar, o que lhe abre uma janela de oportunidade. Enquanto isso, vamos tocando as reformas de frente no Congresso (previdência e tributária) para que o lado fiscal faça sua parte e voltemos a crescer.

Escrito por

Jornalista, bacharel em economia, professora e sócia da Doze+ Comunicação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s