Panorama Semanal de 22 a 26 de maio

O país vive as consequências do quadro político tenso, com a delação premiada de Joesley e Wesley Batista, donos da JBS, no âmbito da Lava Jato. Manifestantes saíram às ruas em vários estados, exigindo a renúncia do presidente Michel Temer e eleições diretas. No Rio e no DF, houve protestos violentos.

O presidente continua afirmando que permanecerá no cargo e chegou a pedir ao STF a suspensão do inquérito que o investiga, com a constatação de que o áudio vazado, da conversa com Joesley, foi editado. A JBS afirma não haver qualquer tipo de alteração.

Politicamente, Temer vem perdendo força e apoio da base aliada. Ministros pediram demissão ao longo da semana, e foram requeridos oito pedidos de impeachment na Câmara dos Deputados.

Em paralelo, o julgamento no TSE, que pode cassar a chapa Dilma Rousseff-Michel Temer, marcado para o dia 6 de junho, poderá ser influenciado pela crise.

Em protesto contra o governo, em Brasília, manifestantes atearam fogo nos prédios dos ministérios da Agricultura, do Planejamento e da Cultura. Houve confronto com a polícia e um dos manifestantes foi baleado por um policial. O presidente assinou decreto para que as Forças Armadas garantissem a segurança na cidade, mas, após críticas, revogou.

No Rio de Janeiro, também houve manifestação com atos violentos em dia de votação sobre aumento da contribuição previdenciária na Alerj. O grupo exigia ainda a saída do presidente da República e do governador do estado, Luiz Fernando Pezão.

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) segue investigando a JBS por supostas irregularidades, como o uso de informações privilegiadas em negociações de dólar futuro e ações. E, no acordo de leniência com a procuradoria, ainda não houve concordância sobre o valor da multa a ser paga pela empresa.

O deputado afastado Rocha Loures devolveu a mala com dinheiro que a JBS lhe deu. A mala, no entanto, continha menos (R$ 465 mil) que o valor informado. No dia seguinte, ele depositou os R$ 35 mil restantes.

E o juiz Sério Moro absolveu a mulher de Eduardo Cunha, Cláudia Cruz, por crimes de lavagem e evasão de recursos.

No exterior, o terror tomou conta de Manchester, após uma bomba explodir durante show da cantora pop Ariana Grande, matando 22 pessoas e deixando mais de 50 feridos. O atentado ampliou a onda terrorista contra alvos civis na Europa.

Em viagem ao exterior, o presidente americano, Donald Trump, reuniu-se com líderes árabes e cobrou compromisso no combate ao terrorismo. Trump também se encontrou com o Papa, no Vaticano.

Na economia, as contas públicas registraram superávit de R$ 12,9 bilhões. A boa notícia, no entanto, foi ofuscada pelo quadro de incerteza política, com dúvidas sobre o andamento das reformas.

Nos mercados, por causa da turbulência política, persiste a cautela em ambiente volátil, mas sem o pânico observado na semana passada. No pregão desta quinta-feira, o Ibovespa fechou estável. O dólar avançou 0,12%, cotado a R$ 3,283.

Obrigada, bom fim de semana e até o próximo Panorama Semanal.

*Dados atualizados até o dia 26/5, às 10h.

Um comentário em “Panorama Semanal de 22 a 26 de maio

  1. O mercado, me parece, que está andando de lado essa semana. Ou o volume das negociações está baixo demais ou os investidores estão tão apreensivos que não sabem ao certo qual rumo as coisas vão andar.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s