Capacidade de transferir votos e os indecisos

Iniciado o horário eleitoral de rádio e TV, a campanha entra na fase decisiva. Com a decisão do TSE de rejeitar a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o impacto da propaganda gratuita se dará muito mais para as candidaturas de Geraldo Alckmin e de Fernando Haddad, já que os demais candidatos possuem pouquíssimo tempo de exposição.

Assim, a briga pelo voto dos indecisos será ferrenha por parte de PSDB e PT. No PT, a capacidade de transferir votos (ou não) de Lula para Haddad será um ponto crucial.

Neste quarto post da série “De olho nas eleições”, o economista Alexandre Espirito Santo avalia as estratégias de campanha na largada oficial rumo à Presidência.  Seguem os pontos destacados por Espirito Santo:

PT – O PT, que (de fato) tem agora Haddad como candidato, apresenta um programa com a estratégia de conduzir ao coração do eleitor à figura de Lula, com Haddad travestido numa espécie de âncora. O partido dá a entender, assim, que terá um governo inspirado em Lula, caso vença. Haddad tentará se tornar conhecido como o “presidente do Lula” ou “Haddad é Lula”, como ocorreu com Dilma Rousseff, para conquistar seu lugar no segundo turno.

PSDB – Já o PSDB procura mostrar que Alckmin tem estofo político e experiência para administrar um país com graves problemas e, de quebra, busca atingir Bolsonaro com um “filmete” que mostra que a violência não se supera com violência.

Demais partidos – Com pouquíssimo tempo de TV, a tarefa de conquistar eleitores fica mesmo para debates e comícios.

Impacto da propaganda – É provável que rapidamente se tenha uma ideia do impacto da propaganda gratuita nas pesquisas de intenções de voto. Até agora, as pesquisas consolidam Lula e Bolsonaro como os candidatos que vão para o segundo turno, enquanto todos os demais ficam empatados tecnicamente.

JN – Para finalizar, o ponto de destaque na semana passada foram as entrevistas com os candidatos no Jornal Nacional. Nossa percepção é que não parecem ter mudado o quadro geral, embora tenham ecoado bastante nas redes sociais. Um exemplo foi a repercussão do expediente de Bolsonaro de usar uma “cola” na mão. Em poucas horas, ele conquistou mais de 100 mil novos seguidores nas redes sociais, além de gerar vários memes.
Disclaimer: A Órama é uma empresa apartidária, sem coloração ideológica. Como empresa, não apoia candidatos ou agremiações políticas. A despeito dessa posição, seus funcionários são cidadãos brasileiros, que podem ter suas preferências e opiniões pessoais, sem que essas, no entanto, reflitam, direta ou indiretamente, o pensamento da empresa e/ou sua direção. Os dados e as informações contidas neste relatório foram obtidos de boa-fé junto a terceiros, nos quais a Órama deposita confiança. Todavia, a instituição não se responsabiliza pela sua exatidão e nem pelo seu uso ou interpretação. É Importante ressaltar que as opiniões e projeções, ora representadas, foram efetuadas de acordo com a situação vigente quando de sua elaboração, podendo ser alteradas independentemente de aviso ou notificação. Nenhuma ideia expressa aqui representa garantia de exatidão ou acurácia. Portanto, a Órama isenta-se de qualquer responsabilidade oriunda da utilização das informações de caráter objetivo ou subjetivo contidas neste texto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s