O que é COE?

Para quem não sabe, COE significa Certificado de Operações Estruturadas. Foi lançado no Brasil em 2010, passando a ser emitido em 2014, com distribuição permitida para as distribuidoras apenas em 2015.

Apesar de relativamente novo, este investimento tem registrado uma forte participação no mercado, devido ao seu potencial.

Por ser um investimento tão novo, é natural que haja dúvidas tanto sobre o funcionamento dos COEs, como também sobre a sua rentabilidade e segurança. Então, vamos tentar acabar de uma vez com todas as dúvidas.

Aqui você vai ver:

1 – Como funciona o COE?

2 – Os tipos de COE

2.1 – Emissão do COE

2.2 – Custos do COE

2.3 – Garantia do COE

2.4 – Rendimento do COE

3 – Para quem é indicado o COE?

4 – Como operar com COE?

5 – Conclusão

Vamos lá?

1 – Como funciona o COE?

O COE pode ser pensado como um tipo de investimento híbrido. Ou seja, ele combina a segurança da renda fixa com a rentabilidade e flexibilidade da renda variável. Essa mescla e outras características específicas do COE fazem dele um investimento peculiar.

Para visualizar o COE, pense nele como um envelope. O investimento em si, que é o Certificado de Operações Estruturadas, é o envelope.  Dentro dele, existem diversos outros investimentos. O COE pode ser composto por inúmeros ativos, tanto de renda fixa, como de renda variável.

Papéis representando diversos investimentos

Cada COE é construído, ou estruturado, de uma forma única pelo banco que o emite, combinando rentabilidade e atratividade. O modelo mais comum do COE é o que investe grande parte em renda fixa, com uma pequena parte em renda variável muito arrojada. Esse equilíbrio é interessante e traz a característica mais forte dos COEs: uma possibilidade de retorno com uma boa segurança.

Essa explicação está parecendo um pouco familiar? Se sim, é porque a estrutura do COE lembra a de uma carteira de investimentos bem construída, balanceada. Provavelmente, desde o seus primeiros passos como investidor você escuta e aprendeu que é fundamental ter uma carteira diversificada, de modo a encontrar o equilíbrio entre segurança e rendibilidade. Cada COE é um investimento trabalhado em cima do mesmo princípio.

Duas perguntas surgem imediatamente. A primeira é: O COE pode substituir a sua carteira inteira? A segunda é: O COE é um investimento sem risco algum? A resposta para ambas as perguntas é não.

O COE é um investimento e, assim como todos, tem os seus riscos. Porém, da mesma forma que na sua carteira de investimentos, a diversificação do COE é feita para construir os melhores resultados possíveis. Por isso, o COE é um investimento com potencial.

Quando uma instituição emite um COE, faz uma estimativa do desempenho de determinados ativos, que é a base para o desempenho do próprio COE.

2 – Tipos de COE

Os COEs têm algumas características que os diferenciam.

2.1 – Emissão do COE

O COE é emitido por bancos e, mesmo assim, não são todos os bancos que o emitem. Ao ser emitido, pode ser oferecido aos investidores por corretoras, distribuidoras e pelos próprios bancos. A ideia por trás deste investimento é a mesma que existe por trás de CDB, LCI, LCA e outros: captar dinheiro de investidores para realizar determinadas operações. Ou seja, é uma forma de emprestar dinheiro ao banco que emitiu o COE.

2.2 – Custos do COE

Custo para investir com COEs

Na Órama, não há custo algum ao se investir em COEs.

2.3 – Garantia do COE

A garantia é outro grande atrativo dos COEs, especialmente com a Órama. Esses produtos podem ser emitidos em dois formatos

O Valor Nominal em Risco é quando o valor inicial não é garantido. Ou seja, o investidor pode sofrer perdas do valor investido inicialmente, mas não corre o risco de terminar o investimento endividado.

Porém, a Órama trabalha apenas com outro tipo de COE, do formato Valor Nominal Protegido. Este é completamente garantido e, não importa qual for o desempenho do COE, o investidor receberá de volta, pelo menos, o valor investido inicialmente.

2.4 – Rendimento do COE

O outro fator que determina o tipo do COE é o seu rendimento. O modelo mais tradicional é aquele em que um ativo é o que vai determinar o seu rendimento. Imagina aquele envelope que contém o COE. Dentro dele, um ativo específico é o “principal”, cujo desempenho irá determinar a performance do COE como um todo.

Existe outro modelo de COE, um pouco menos usado, que trabalha com um prazo e um grupo de ações. São colocadas 4 ações dentro do “envelope” do COE. Então, é determinado um período mais longo para o fim do mesmo. Durante esse tempo, se todas as ações mantiverem a cotação ou subirem de rendimento, durante períodos predeterminados de verificação, o COE paga os investidores e fecha antecipadamente. Caso contrário, ele fica aberto até o fim do período total.

Cada COE é composto por 5 características principais:

  • Modalidade: Podem ser as duas acima, Valor Nominal em Risco ou Valor Nominal Protegido, mas a Órama trabalha apenas com a do Valor Nominal Protegido.
  • Duração Máxima: Assim como certos investimentos, o COE é investido por um certo período.
  • Categoria: É esta categoria que determina o rendimento do COE. Vamos usar o mais comum, em que ele é composto por um índice ativador, que é um dos produtos contidos nele, e o multiplicador que resulta no seu rendimento.
  • Regras para o melhor e para o pior cenário: Também indicam como o COE irá se comportar, visto que pode também haver um limite máximo de rendimento do COE.
  • Estratégia: Varia de acordo com cada COE, podendo ser ações, uma moeda estrangeira ou qualquer outra.

A partir dessas informações, vamos simular com alguns números, para ficar ainda mais claro. O exemplo é de um COE disponível na plataforma da Órama, no início de 2019.

O “Alta do Ibovespa ou 6,7% a 8,7% ao ano” trabalha com o índice da bolsa para medir o seu rendimento. Ele tem duração de 36 meses e aplicação mínima de R$ 5 mil.

O COE, segundo as características acima, tem:

  • Modalidade: Valor Nominal Protegido
  • Duração Máxima: 36 meses
  • Categoria: Alavancada tradicional
  • Regras para o melhor e o pior cenário: Se o Ibovespa valorizar até 64,99%, o investidor recebe 100% desta valorização. Se ele valorizar 65% ou mais, o investidor recebe de 6,7% a 8,7% ao ano, dependendo da quantidade de investidores. No pior caso, se o Ibovespa mantiver ou cair, o investidor recebe o valor investido inicialmente.
  • Estratégia: Índice do Ibovespa.

Então, se forem investidos R$ 5 mil, e o Ibovespa valorizar até 64,99%, por exemplo, o investidor recebe o equivalente a esse percentual na sua aplicação. Ou seja, R$ 3.249,5, que é justamente 64,99% em cima dos R$ 5 mil. No resgate, terá R$ 8,249,5 mil. Esse é o melhor cenário.

Mas o pior cenário, embora “devolva” o valor nominal investido, também apresenta um certo risco, que o investidor um pouco mais experiente já deve ter percebido. Ora, se foi recebido apenas o investido, o dinheiro ficou “parado” durante esse tempo, o que não é bom.

Todo investimento tem o seu risco, e o COE é uma maneira de equilibrar uma boa chance de rendimento com um risco razoável. Se você deixar esse dinheiro na caderneta de poupança, é melhor é investir no COE, visto que, no pior cenário, praticamente dá no mesmo.

Essa certeza de um rendimento mínimo também é replicada para o outro lado. Pode haver um rendimento máximo que o seu investimento será capaz de atingir. No nosso exemplo, é o que acontece caso o Ibovespa renda mais do que 65% em qualquer dia. Você recebe entre 6,7% ou 8,7% ao ano. Esse percentual é determinado no dia do lançamento do COE.

Por isso, informações como rendimento, prazo, resgate e retorno dependem muito de cada COE, pois cada um é único.

Por fim, existe também a questão de tributação do COE pelo Imposto de Renda. Ela é bem simples de entender, já que é usada a mesma tabela regressiva das aplicações em renda fixa.

Prazo do investimento alíquota do IR
Até 180 dias 22,5%
de 181 a 360 dias 20%
de 361 a 720 dias 17,5%
Acima de 720 dias 15%

No caso do nosso exemplo, como a aplicação é de 36 meses (1.080 dias), a alíquota do Imposto de Renda é de 15%, incidente sobre o rendimento.

3- Para quem é indicado o COE?

Com essas informações, fica um pouco mais fácil determinar se COE é o investimento ideal para você. O COE é mais indicado para o investidor moderado, mas não restringe a ele. Alguém com o perfil um pouco mais conservador pode aprender sobre o COE e ampliar um pouco o leque dos investimentos, sem o risco de perder o dinheiro aplicado. O exemplo acima é um ótimo caso em que você aprende sobre a bolsa de valores, minimizando o risco.

Investidores ponderando a melhor opção de investimento.

Como sempre, é recomendado que o COE não seja o único ativo na sua carteira de investimentos. O COE, por exemplo, tem uma baixa liquidez, por isso é ideal complementá-lo com investimentos que tenham essa característica mais alta. Também, como não existem garantias de ganho, é bom sempre ter algum investimento com rentabilidade assegurada.

De acordo com uma “escada” de risco e recompensa dos investimentos, o COE está em algum lugar acima da renda fixa, mas abaixo de aplicações como a bolsa de valores.

Uma das características do COE é investir em mercados e produtos diferentes, tendo a oportunidade de aprender um pouco mais sobre eles, sem riscos de perdas e com uma boa rentabilidade. Mais uma vez, no nosso exemplo, o COE é uma ótima oportunidade de investir no Ibovespa.

4- Como operar o COE?

Como dito acima, o COE é emitido pelos bancos, e você pode investir nele através do próprio banco ou de outras instituições. Cada COE possui um documento com todas as informações essenciais, que permitem analisar as vantagens, as desvantagens e o potencial deste investimento.

Esses documentos são preparados para um perfil de investidor específico, e os investimentos que compõem o COE também são escolhidos a dedo, para gerar os melhores resultados.

Com a Órama, você pode investir em um COE buscando os melhores rendimentos, trabalhando com o capital protegido. Isso permite um fácil acesso a mercados sofisticados, com diversas opções para os mais variados tipos de investidor.

5- Conclusão

Demos aqui uma visão bem simples e básica para você conhecer um pouco melhor o COE e, se necessário, tirar algumas dúvidas. Quanto mais você for conhecendo sobre os investimentos, terá mais curiosidade e mais confortável para buscar as melhores opções, as mais adequadas ao seu perfil e objetivos.

A plataforma da Órama oferece todas as informações de que você precisa, além de um ambiente seguro para realizar as suas operações, com COE e quaisquer outros investimentos. Caso tenha alguma dúvida, ou se quiser saber mais, nossos consultores estão sempre à disposição. Para conhecer mais os COEs, confira a nossa página.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s