Tensão política com a Reforma da Previdência os destaques da semana

Panorama Semanal de 25 a 29 de março*

O acirramento da tensão política entre Congresso e governo foi o destaque do
noticiário esta semana, com a percepção de que a aprovação da Reforma da
Previdência poderá demorar mais do que o esperado e, ainda, em um formato
“Frankenstein”. Indicadores como o dólar – que chegou a bater R$ 4 – e o Ibovespa
reagiram negativamente.

O governo Bolsonaro protagonizou diversas polêmicas, além da negociação da
Reforma da Previdência. O golpe de 64 e a crise na Educação foram duas delas.
No mais, em um cenário político já conturbado, a aprovação relâmpago da PEC que tira
poder do governo sobre o Orçamento representou ainda uma derrota para Bolsonaro.
O Senado vota a PEC na semana que vem.

Sobre a Reforma da Previdência e o relacionamento do governo com os congressistas,
seguem os principais destaques:

– Clima para negociação ficou azedo com discussão pública e troca de farpas entre o
presidente da República, Jair Bolsonaro, e o presidente da Câmara dos Deputados,
Rodrigo Maia. Bolsonaro disse que Maia estava “abalado com questões pessoais”, e o
deputado afirmou que Bolsonaro está “brincando” no cargo.

– O ministro da Economia, Paulo Guedes, faltou à audiência na CCJ, justificando que
não havia ainda definição de relator para a proposta da Reforma. Ele deve ir na
semana que vem. Na quinta-feira, foi anunciado o nome do deputado Marcelo Freitas
(PSL) como relator.

– Guedes estimou que a Reforma esteja resolvida em três ou quatro meses

– Houve discussão e clima ruim durante audiência de Guedes na Comissão de Assuntos
Econômicos (CAE). Guedes fez menção à aposentadoria dos congressistas, dizendo que
o valor é injusto.

– Líderes partidários se comprometeram com a aprovação da Reforma, mas rejeitam as
mudanças no Benefício de Prestação Continuada e nas alterações das regras da
aposentadoria rural.

– Nesse cenário, Guedes disse que “não tem apego ao cargo”, mas, ao mesmo tempo,
reforçou que não sairá após a primeira derrota.

– No fim desta semana, Bolsonaro, Maia, Guedes e outros personagens de relevo
fizeram declarações apaziguadoras, na tentativa de amenizar as tensões. Neste
momento, os indicadores de mercado reagiram positivamente.

Em relação ao golpe de 1964, a polêmica foi a seguinte: Bolsonaro determinou que os
militares celebrassem a data. Após protestos, a Defensoria entrou com uma ação
contra a determinação. O caso ganhou holofotes e redes nacionais e internacionais.

No Ministério da Educação, persiste a crise, com boatos – desmentidos por Bolsonaro –
sobre a saída do ministro Ricardo Vélez, criticado publicamente pelo ex-presidente do
Inep, Marcus Vinicius Rodrigues.

Na esfera judicial, repercutiu a ordem do desembargador Ivan Athié para soltar o ex-
presidente Michel Temer e o ex-ministro Moreira Franco, entre outros presos na
semana passada. Em outra ação, a da mala da JBS, Temer se tornou réu pela primeira
vez, após a Justiça Federal de Brasília ter acolhido denúncia por corrupção passiva.

Na economia, destaque para a mudança na política de preços do diesel. A Petrobras
decidiu que os preços terão reajuste a cada 15 dias, pelo menos. Até então, os
reajustes eram diários – um dos motivos da greve dos caminhoneiros do ano passado.

O Banco Central reduziu a previsão de crescimento este ano de 2,4% para 2%. A
inflação, segundo o BC, ficará abaixo de 4%.

E a taxa de desemprego, conforme divulgado pelo IBGE, acelerou para 12,4% em
fevereiro. É o equivalente a 13,1 milhões de pessoas.

Em Minas, três barragens da Vale estão no nível três de alerta de rompimento: uma
em Nova Lima e duas em Ouro Preto.

A novela Brexit ganhou novos capítulos. Os deputados britânicos aprovaram emenda
que dá mais poder ao Parlamento, em nova derrota para a primeira-ministra Theresa
May, que ofereceu sua renúncia na tentativa de um acordo para a saída da Grã-
Bretanha do bloco europeu.

Na Venezuela, com a situação social agravada a cada dia, a novidade foi a chegada de
aviões russos Caracas. E a Justiça proibiu Juan Guaidó de assumir cargos públicos por
15 anos.

No pregão desta quinta-feira, o Ibovespa – que havia recuado bastante com as tensões
do cenário político – passou por uma correção e fechou em alta de 2,7%, aos 94.388
pontos. O dólar, após atuação do BC, encerrou em queda de 1,01%, cotado a R$ 3,914.

Obrigada, bom fim de semana e até o próximo Panorama Semanal.

*Dados atualizados até o dia 29/3, às 9h.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s