Divergências sobre a reforma tributária e os últimos destaques

BRASIL EM FOCO

Em uma semana turbulenta, os movimentos dos mercados aqui no Brasil foram muito influenciados pelo o noticiário externo indicando uma desaceleração da economia global, uma possível retomada da esquerda na Argentina e pelas manifestações em Hong Kong. O Ibovespa subiu 0,75%, a 99.805 pontos, mas fechou a semana acumulando 4,03% de perda. O dólar comercial, teve alta de 0,33%, sendo vendido por R$ 4,0026 – na semana, subiu 1,59%. O DI para janeiro de 2025 caiu no fim do pregão regular para 6,86%, mas fechou a semana ligeiramente acima dos 6,85% do fim da sexta-feira passada.

Em nota técnica, o Ministério da Justiça afirmou que o projeto sobre abuso de autoridade, aprovado pela Câmara na última quarta-feira poderá “inviabilizar” o trabalho da Polícia Federal e do Ministério Público. O projeto foi enviado para a sanção presidencial que pode aprovar ou vetar em até 15 dias. (G1)

As divergências a respeito da reforma tributária já iniciaram. A Confederação Nacional dos Municípios (CNM) divergiu da posição da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP) – que representa as grandes cidades – e decidiu apoiar a incorporação do Imposto Sobre Serviços (ISS) ao Imposto sobre Bens e Serviços (IBS), mas pretende aproveitar a discussão para ampliar as receitas administradas pelos prefeitos. (Valor)

Os dados do Imazon (Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia) indicam que desmatamento na Amazônia cresceu 15% nos últimos 12 meses, em relação ao período anterior. Só em julho deste ano, a floresta perdeu 1.287km² de mata, um aumento de 66% em relação ao mesmo mês de 2018. (Poder 360)

Jair Bolsonaro foi achincalhado em horário nobre na televisão aberta da Alemanha. O presidente brasileiro foi criticado principalmente pela sua política ambiental e o desmatamento na Amazônia por quase cinco minutos de vídeos com montagens. (Poder 360)

OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL

O S&P 500 subiu 1,44%, aos 2.888,68 pontos, mas não foi o suficiente para compensar as perdas durante a semana que ficaram em 1,03%

A agência de classificação de risco, Fitch Ratings, rebaixou na sexta-feira (16) a nota de crédito de longo prazo da Argentina. A nota foi reduzida de B para CCC, sendo considerada de risco alto de inadimplência e baixo interesse. A justificativa da Fitch foi que a vitória de Alberto Fernández nas eleições primárias elevou a incerteza política do país. (G1)

Sobre a relação da China com Hong Kong, é interessante analisar o papel de intermediário com o sistema financeiro internacional que a Região Administrativa Especial possui. Em 2017, as empresas da China continental captaram 47 bilhões de dólares em ações e 66 bilhões de dólares em títulos de dívida emitidos por empresas no mercado de Hong Kong. O investimento direto chinês em Hong Kong totaliza 620 bilhões de dólares – 70% a mais do que o Produto Interno Bruto (PIB) do território. Além disso, cerca de 60% do investimento externo da China – incluindo projetos no âmbito da Iniciativa do Cinturão e Rota (BRI)– são canalizados através de Hong Kong. Essas interações fazem com que a saída para a crise se torne mais complexa e que toda atuação do governo de Pequim seja calculada. (Poder 360)

A semana começa mais tranquila, após comentários do presidente Trump, no fim de semana, que as conversas seguem com a China, embora tenha sinalizado que ainda não está pronto para assinar o acordo. As bolsas sobem na Ásia e na Europa. O viés dos futuros das bolsas americanas também é de alta.

RESUMO DOS MERCADOS 

Dólar Comercial R$ 4,0026 0,33%
DI  Fut Jan/25 6,86% -8 bps
Ibovespa 99.805 pts 0,75%
S&P500 2.889 pts 1,44%

ÓRAMA NAS MÍDIAS

Com a taxa Selic em baixa histórica, alguns investimentos podem não te dar os retornos esperados. Nossa estrategista de investimentos, Sandra Blanco, dá algumas dicas de como aproveitar a restituição do IR e investir nesse cenário.

 

As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s