PIB do Brasil cresce 0,4% no segundo trimestre e os últimos destaques

BRASIL EM FOCO 

Com o PIB do Brasil surpreendendo o mercado e a China defendendo uma saída negociada para a guerra comercial, o Ibovespa fecha em alta de 2,37%, a 100.524 pontos. O DI janeiro/2025 fechou a 7,23%, abaixo de 7,26%, no ajuste anterior. O dólar comercial avançou 0,30%, a R$ 4,1704.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil cresceu 0,4% no segundo trimestre de 2019 frente ao trimestre anterior e totalizou R$ 1,78 trilhão. O resultado foi puxado, principalmente, pelos ganhos da indústria (0,7%) e dos serviços (0,3%), com destaque especial para as atividades imobiliárias (0,7%). Pela ótica da despesa, as variações positivas ficaram com as despesas de consumo das famílias (0,3%) e a formação bruta de capital fixo (3,2%), enquanto que as despesas de consumo do governo recuaram 1,0%. (Agencia de Notícias IBGE)

Na contramão da promessa de campanha do ministro Paulo Guedes, que o déficit seria zerado em 2019 e ter superávit já em 2020, o secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, disse que, em um cenário conservador, as contas do governo central (Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência Social) devem ficar no vermelho até o final do mandato do presidente Jair Bolsonaro, em 2022. (Poder 360)

Em julho de 2019, o Índice de Preços ao Produtor (IPP) teve queda (-1,24%) em relação a junho. O acumulado no ano foi de 1,50% e o dos 12 meses, de 1,33%. Cinco das 24 atividades industriais investigadas tiveram alta de preços. (Agência de Notícias IBGE)

OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL

O otimismo com o tom conciliatório da China impulsionou os principais índices acionários nos EUA, tendo os mesmos fechados com ganhos de mais de 1%.  O S&P 500 subiu 1,27%, a 2.924,58 pontos.

O ministro do Comércio da China, Gao Feng, anunciou que está “em efetiva comunicação” com os EUA sobre a disputa comercial. Gao disse: “Esperamos que os Estados Unidos possam encontrar a China no meio do caminho e resolver adequadamente as disputas econômicas e comerciais entre os dois países com base na igualdade e no respeito mútuo”. (Xinhua)

A desaceleração do PIB dos EUA sinaliza que a meta de 3% de crescimento estabelecida por Trump pode estar mais distante. O Produto ajustado pela inflação cresceu 2%. O número mostra ligeira queda em comparação com a taxa de 2,1% inicialmente reportada, mas  ficou dentro das estimativas dos analistas. Os gastos do consumidor, que representam cerca de dois terços da economia, cresceram 4,7%, superando todas as previsões com o maior ganho desde 2014. (Bloomberg)

SOBRE A SITUAÇÃO NA ARGENTINA:

O ministro da Fazenda argentino, Hernán Lacunza, anunciou nesta quarta-feira (28) que o país vai atrasar o pagamento de suas dívidas de curto prazo com o FMI e com credores institucionais. A reestruturação da dívida passa por renegociar apenas os vencimentos sem contestar os valores e nem as taxas de juros cobradas pelos credores. (Nexo

A Argentina tem hoje 70% de sua dívida em dólar e a desvalorização brusca da moeda local (25% desde as primárias presidenciais de 11 de agosto, vencidas pela oposição) diminuiu a capacidade de pagamento dessa dívida. Desde as prévias, o Banco Central argentino (BCRA) queimou mais de US$ 8 bilhões em reservas internacionais. Dos US$ 57 bilhões do total de reservas que possuía ontem, entre US$ 13 bilhões e US$ 19 bilhões são reservas líquidas, que poderiam ser utilizadas imediatamente para defender o peso frente ao dólar  Nesse cenário, a autoridade monetária do país vendeu mais US$ 223 milhões, na quinta-feira.

O peso conseguiu com isso certa estabilidade e o dólar fechou em leve queda de 0,14%, cotado a 57,859 pesos argentinos. Além disso, o BCRA ofereceu um novo leilão de Letras de Liquidez (Leliq), ao prazo de sete dias, a uma taxa média de 78,20% (Valor). O Merval, índice da Bolsa de Buenos Aires, caiu mais 5,69% fechando aos 24.009,440 pontos. Desde o último dia 11, a bolsa argentina despencou quase 45%.

Para fechar a semana, na ausência de notícias negativas nesta manhã, os mercados fecham em alta na Ásia e avançam na Europa. Os futuros em Wall Street apontam para um dia positivo nas bolsas americanas. O ouro recua, mas ainda é negociado acima de US$ 1.500/onça.

RESUMO DOS MERCADOS 

Dólar Comercial R$ 4,1704 0,30%
DI  Fut Jan/25 7,23%  -3 bps
Ibovespa 100.524 pts 2,37%
S&P500 2.925pts 1,27%

ÓRAMA NA MÍDIA

Você sabia que apenas 2% das plataformas online são adaptadas para pessoas com deficiência? A Órama quer mudar isso! Nesse novo vídeo vamos falar da importância da acessibilidade digital e de como podemos reverter esse quadro.

 

As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser  divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s