Copom anuncia corte na Selic e os últimos destaques

BRASIL EM FOCO 

Na “super-quarta”, movimento de corte de juros no Brasil e nos EUA veio de acordo com o esperado. Mas, resultado do PIB americano e a indicação de que o Fed não deve fazer mais alterações de política monetária esse ano favoreceram a busca por investimentos de maior risco. Com isso, o Ibovespa avançou 0,79%, aos 108.408 pontos, nova máxima histórica intradiária e de fechamento. O dólar comercial recuou 0,38%, aos R$ 3,9872. A taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2025 terminou próximo à estabilidade a 6,05% no fim da sessão regular, às 16h.

O Comitê de Política Monetária (Copom) cortou a Selic, taxa básica de juros, de 5,5% ao ano para 5%, em linha com a expectativa dos economistas e analistas de mercado. No comunicado oficial, o Banco Central do Brasil aponta que considerando os riscos internos e externos e o fato da inflação estar sob controle, de acordo com as últimas informações divulgadas pelo Boletim Focus, abriu-se espaço para mais estímulos de política monetária. 

A comissão que analisa o novo marco do saneamento básico aprovou o texto-base na comissão especial da Câmara dos Deputados e agora segue para o plenário. O marco se propõe a estimular o investimento privado no respectivo setor. (Poder 360)

O Ministério Público do Rio (MP-RJ) informou que no depoimento do porteiro do condomínio do presidente Jair Bolsonaro, sobre a liberação da entrada do ex-PM Élcio Queiroz, não é compatível com a gravação da chamada feita pelo interfone da portaria, que foi publicada no Twitter de Carlos Bolsonaro, também morador do Vivendas da Barra. A voz que autorizou a entrada de Élcio seria de Ronnie Lessa, que já está preso e é acusado do assassinato de Marielle Franco. (O Globo)

OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL 

Nos EUA, os índices acionários registraram um dia de alta com os dados positivos do PIB e as declarações do Fed de que se deve monitorar como a economia vai reagir à queda dos juros. O S&P 500 avançou 0,33%, fechando aos 3.046,77 pontos.

O produto interno bruto (PIB) dos EUA cresceu a uma taxa anualizada de 1.9%, de acordo com dados divulgados pelo Departamento de Comércio. O valor superou as previsões que era de crescimento de 1,6%. O ganho refletiu principalmente a força nos gastos dos consumidores, que aumentou a uma taxa de 2,9% e excedeu as projeções para um aumento de 2,6%. (Bloomberg)

O Federal Reserve (FED) – Banco Central americano – cortou a taxa de juros em 0,25, levando a referência de taxa para a faixa entre 1,5% e 1,75%. Este foi o terceiro corte seguido no ano. O FOMC, comitê de política monetária dos EUA, acrescentou que vai monitorar o andamento da economia, o que muito provavelmente significa que não deveremos ter mais cortes nos próximos meses. (FOMC statement)

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, anunciou que, devido a crise política e social que o país passa, não vai ser o anfitrião nem do Fórum de Cooperação Econômica Ásia-Pacífico (APEC), em novembro, nem da Conferência das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (COP25) em dezembro. Os protestos no Chile já causaram  pelo menos 20 mortes. A APEC estava sendo programada para ser a ocasião na qual o  Donald Trump iria assinar o acordo comercial com o líder chinês Xi Jinping. (El País)

O National Bureau of Statistics da China divulgou dados do setor industrial que encolheu pelo sexto mês consecutivo em outubro. O índice PMI caiu de 49,8 para 49,3 em outubro, em relação ao mês anterior (a pontuação abaixo de 50 indica contração do setor). A disputa comercial com os Estados Unidos e a menor demanda doméstica está afetando o setor manufatureiro. (Bloomberg)

No último dia do mês, oficiais chineses comentaram que há dúvidas sobre a possibilidade de se alcançar um acordo de longo prazo com os EUA, apesar de as duas potências, ao que tudo parece, estarem perto de assinar a primeira fase deste acordo. As bolsas subiram no Japão e em Hong Kong, mas fecharam em queda na China e recuam na Europa. Os futuros dos índices de Nova York apontam para um dia de queda.

RESUMO DOS MERCADOS 

Dólar Comercial R$ 3,9872 -0,38%
DI Fut Jan/25 6,05% +1 bps
Ibovespa 108.408 pts +0,79%
S&P 500 3.046,77 pts +0,33%

ÓRAMA NA MÍDIA 

Com a aprovação da Reforma da Previdência no Congresso e os juros cada vez mais baixos,, se planejar para investir se torna ainda mais importante para uma aposentadoria tranquila. A Previdência Privada é um produto para atender a esse objetivo de longo prazo. E para ajudar a compreender melhor esse investimento, no “Conversa que Rende” de hoje, a Nathalia recebe a Tatiana Siqueira, do time de Previdência Privada da Órama.

As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser  divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s