Produção do 737 Max será interrompida pela Boeing e os últimos destaques

 BRASIL EM FOCO 

Mesmo com o mercado externo mais favorável, o Ibovespa virou para o negativo no final do dia. O índice da bolsa caiu 0,59%, aos 111.896,04 pontos. O dólar PTAX fechou em queda de 0,36%, a R$ 4,0801. Os contratos de DI para janeiro de 2025 eram negociados a 6,48%, abrindo 9 pontos base.

Sobre a reforma tributária, Jair Bolsonaro afirmou que prefere usar a expressão “simplificação de impostos”. Quando questionado sobre a possível volta da CPMF, o presidente sugeriu que “todas as alternativas estão na mesa” e que se o governo tentar uma reforma tributária “ampla, geral e irrestrita” que altere impostos das esferas federal, estadual e municipal, nada sairá do papel. A ideia principal, no momento, é trabalhar na alçada federal. (InfoMoney)

O spread do contrato de Credit Default Swap (CDS) de cinco anos do Brasil caiu abaixo dos 100 pontos. Por volta das 14h25, o spread operava a 98,2591 pontos. Em relação aos valores de fechamento, este é o menor desde os 96,9 pontos registrados em 8 de novembro de 2010. O CDS funciona como um termômetro informal da confiança dos investidores em relação às economias, especialmente as emergentes. Se o indicador sobe, é sinal de que os investidores temem o futuro financeiro do país. Se ele cai, o recado é o inverso: sinaliza aumento da confiança em relação à capacidade de o país saldar suas dívidas. (Valor)

OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL 

O otimismo em relação ao acordo comercial anunciado na sexta foi sentido no pregão de segunda-feira. O S&P 500 avançou 0,71%, a 3.191,45 pontos.

A Boeing planeja interromper a produção do seu 737 Max em janeiro. A paralisação por tempo indeterminado ajudará a economizar dinheiro, mas abalará uma base de fornecedores que se estende de Seattle ao Kansas, adicionando um vento forte à indústria americana antes das eleições de 2020. Na própria Boeing, os funcionários continuarão os trabalhos relacionados ao 737 ou serão temporariamente transferidos para outras equipes, informou a empresa em comunicado nesta segunda-feira.(Bloomberg)

Nesta manhã, as bolsas subiram na Ásia, registrando altas de mais de 1% na China e em Hong Kong. Porém, as bolsas na Europa e os índices futuros de Wall Street recuam, com os investidores aguardando novidades. A libra esterlina cai mais de 1%, cotada a 1,3199 US$/£ após o primeiro-ministro eleito Boris Johnson propor uma mudança que reacendeu a chance de um Brexit sem acordo. Ao mesmo tempo, os dados do mercado de trabalho britânico deram sinais de nervosismo, devido às incertezas sobre a futura relação entre Reino Unido e União Europeia.  

RESUMO DOS MERCADOS 

Dólar PTAX  R$ 4,0801 – 0,36%
DI Fut Jan/25 6,48% + 8 bps
Ibovespa 111.896,04 pts  – 0,59%
S&P 500 3.191,45 pts + 0,71% 

ÓRAMA NA MÍDIA

Em sua coluna semanal no Valor Investe, o economista da Órama, Alexandre Espírito Santo, discute a relação da alta da Bolsa com o desempenho econômico medido pelo PIB. Vale a leitura!

As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser  divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.

Deixe uma resposta