Receio de uma pandemia do coronavírus e os últimos destaques

BRASIL EM FOCO 

O receio de uma pandemia do coronavírus e seus impactos sobre a economia mundial refletiu no desempenho das bolsas pelo mundo e o no Brasil não foi diferente. O Ibovespa teve forte queda de 1,54%, fechando aos 117.026 pontos. O dólar PTAX,  cotado a R$ 4,2014, registrou alta de 0,44%. No mercado de juros futuros, o DI para Janeiro de 2025 foi negociado à taxa de 6,36%, fechando 2 pontos base.

O destaque negativo do dia na B3 foi o desempenho das ações da Hering, que caíram 12% após a empresa, em teleconferência com analistas, declarar que o desempenho de vendas no Natal foi “frustrante”, porque a recuperação econômica não veio num ritmo “suficiente” para manter o bom desempenho registrado na Black Friday. (G1)

Novos leilões dos campos de petróleo da cessão onerosa do pré-sal devem acontecer só em 2021. Esse adiamento se faz necessário para que mudanças no modelo de partilha sejam aprovadas no congresso. É preciso alterar a lei 12.351/2010 para que pontos importantes como o valor do bônus de assinatura, o percentual de partilha com a União, além do direito de preferência da Petrobras sejam discutidos. Sem receitas atípicas na ordem de R$ 24,5 bilhões, a expectativa é que o déficit primário deste ano seja maior do que o de 2019. (Valor)

Em Davos, no Fórum Econômico Mundial, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que pretende aderir ao Acordo sobre Compras Governamentais da OMC. O GPA (Government Procurement Agreement – sigla em inglês) obriga o Brasil a dar tratamento isonômico entre empresas nacionais e estrangeiras que participem de licitações e concorrências públicas no país. Segundo o ministro, essa medida ataca frontalmente a corrupção nesse segmento de contratações e coloca o Brasil alinhado às melhores práticas internacionais. (Poder 360)

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) denunciou, nesta terça-feira, Fabio Schvartsman, ex-presidente da Vale, mais 15 pessoas e as empresas Vale e TÜV SÜD pelo crime de homicídio doloso, aquele em que há a intenção de matar, no acidente de Brumadinho. (G1)

OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL 

Além da preocupação com o vírus de Wuhan, nos EUA também teve início o julgamento de Trump no Senado. O S&P 500 fechou o pregão em queda de 0,27% aos 3.320,79 pontos.

A China confirmou que o recém-identificado coronavírus na cidade de Wuhan é transmitido de pessoa para pessoa. Com seis mortes e mais de 300 casos confirmados na Ásia, a preocupação mais urgente das autoridades chinesas é conter o surto antes do feriado do Ano Novo Lunar. Wuhan é uma cidade na hub do sistema de trens da China e o feriado movimenta milhões de pessoas que voltam para suas cidades de origem para as festividades. Essa pode ser a combinação perfeita para que o surto se torne uma epidemia ou até uma pandemia. O South China Morning Post preparou essa matéria explicando o caso. 

Nos EUA, um caso já foi confirmado de contaminação pelo coronavírus: um homem de 30 anos que estava viajando pela China e voltou aos EUA no dia 15 de janeiro. As autoridades americanas disseram que o homem procurou atendimento rapidamente e está hospitalizado por cautela. (Bloomberg)

Na terça-feira, também nos EUA, foi iniciado o julgamento de impeachment do Donald Trump no Senado. Apesar da maioria republicana na casa, os debates não estão sendo tranquilos com ataque e defesa trocando insultos e tentativa de mudanças das regras. (The New York Times)

Pela primeira vez desde que passou a elaborar um relatório anual, a consultoria de riscos Eurásia aponta como maior risco internacional a política dos Estados Unidos, um país cada vez mais polarizado. É a primeira vez também que a política em um país desenvolvido é apontada como um fator de risco e instabilidade no sistema internacional, uma condição tradicionalmente associada aos países emergentes. As eleições presidenciais em novembro, se somam o processo de impeachment que corre no Senado e o protecionismo americano sob a presidência de Trump, esse conjunto de variáveis distanciam os EUA do multilateralismo. (El País)

As bolsas fecharam em alta na Ásia, após as medidas que a China anunciou para conter a propagação do surto do novo vírus, como o monitorar o sistema de transporte e fechar Wuhan parcialmente, cidade de origem do vírus. A Organização Mundial de Saúde se encontra hoje para decidir se declara situação de emergência internacional. 

Na Europa, as bolsas andam de lado em meio à divulgação de resultados corporativos. Os futuros dos índices de Wall Street operam em campo neutro.

RESUMO DOS MERCADOS 

Dólar PTAX R$ 4,2014 + 0,44%
DI Fut Jan/25 6,36% – 2 bps 
Ibovespa  117.026,04 pts  – 1,54% 
S&P 500 3.320,79 pts – 0,27%
As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser  divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s