Queda de 2% no Ibovespa e os últimos destaques

BRASIL EM FOCO 

Volatilidade resume o último pregão com as notícias sobre o coronavírus no radar o tempo todo. O Ibovespa, que durante o dia chegou a cair quase 2%, virou e fechou aos 115.528,04 pontos, subindo 0,12%. O dólar PTAX teve alta de 1,21%, cotado a R$ 4,2523. No mercado de juros, os contratos futuros de DI para Janeiro de 2025 eram negociados a taxa de 6,21% subindo 1 ponto base.

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), que havia criticado os ministros do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e da Educação, Abraham Weintraub, baixou o tom em relação ao titular da pasta ambiental. Maia disse que é necessário estabelecer as diferenças entre os ministros e que “O ministro da Educação atrapalha o Brasil, atrapalha o futuro das nossas crianças, está comprometendo o futuro de muitas gerações. A cada ano que se perde com a ineficiência, com discurso ideológico, com a péssima qualidade na administração, [isso] acaba prejudicando os anos seguintes da nossa sociedade”. (Folha)

Após a exoneração de Vinícius Santini, a secretária-executiva do PPI (Programa de Parcerias de Investimentos), Martha Seillier, também deve ser exonerada do cargo. Esses movimentos enfraquecem politicamente o ministro Onyx Lorenzoni (DEM). O PPI, responsável pelas concessões federais, deixará a alçada de Lorenzoni na Casa Civil e passará para o Ministério da Economia. A ideia é que o programa seja incorporado à Secretaria Especial de Salim Mattar, que hoje conduz as privatizações do governo federal. (O Globo)

OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL 

Nos EUA, os índices também fecharam no positivo, o S&P 500 subiu 0,31%, para 3.283,66 pontos. Apesar da classificação do surto de coronavírus como uma emergência global, o tom menos catastrófico da OMS, e a não limitação dos fluxos globais de pessoas e de comércio, agradou os investidores.

O PIB dos EUA cresceu 2,3% em 2019. No quarto trimestre a expansão foi de 2,1% anualizado, pelo segundo trimestre consecutivo, enquanto o consumo desacelerou o ritmo para 1,8%. (WSJ)

A Organização Mundial da Saúde, após reunião do seu Comitê de Emergência, emitiu o seguinte comunicado: “O Comitê acredita que ainda é possível interromper a disseminação do vírus, desde que os países adotem medidas fortes para detectar doenças precocemente, isolar e tratar casos, rastrear contatos e promover medidas de distanciamento social compatíveis com o risco. É importante observar que, à medida que a situação continua evoluindo, o mesmo ocorre com as metas e medidas estratégicas para prevenir e reduzir a propagação da infecção”. O Comitê concordou que o surto agora atende aos critérios para uma emergência de saúde pública de interesse internacional. (OMS)

Encerrando a semana turbulenta, que teve as atenções dos investidores voltadas para os efeitos da propagação do coronavírus, os índices da bolsa do Japão fecharam em leve alta, enquanto em Hong Kong, o Hang Seng recuou 0,52%. Na Europa, os índices operam no vermelho, para fechar na pior semana em três meses. Os futuros de Nova York também apontam para outro dia negativo. O yield da Treasuries de 10 anos está sendo negociado a 1,56% e o ouro, a US$ 1.584.

RESUMO DOS MERCADOS 

Dólar PTAX R$ 4,2523 + 1,21%
DI Fut Jan/25 6,21% + 1 bps 
Ibovespa  115.528,04 pts + 0,12%
S&P 500 3.283,66 pts  + 0,31%
As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser  divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.

Deixe uma resposta