Tesouro Direto: Tudo o que você precisa saber

Qual o rendimento do Tesouro Direto? 

O Tesouro Direto se popularizou muito e, atualmente, é considerado uma das principais alternativas para quem quer sair da caderneta de poupança. É visto como uma ótima porta de entrada no mundo dos investimentos, já que passa segurança. Isso gera um índice de atratividade muito grande para aqueles que ainda estão começando. Além disso, pode servir também para diversificar a carteira de investimento e, consequentemente, reduzir riscos. Dessa forma, atinge propósitos de diversos perfis de investidores, mostrando sua popularidade. 

O que é o Tesouro Direto?

É um programa criado pelo Tesouro Nacional, em parceria com a Bolsa, a partir do qual o investidor consegue adquirir títulos da dívida pública federal pelo site na Internet. Ao investir seu dinheiro, é como se você estivesse emprestando para o governo. E, ao resgatar, no prazo de vencimento, receberá o valor acrescido de juros. São títulos de Renda Fixa, oferecidos com várias opções de remuneração, e é considerado o investimento com menor risco de crédito do país. Graças à diversidade dos títulos, é possível analisar qual deles é melhor para seu objetivo, de acordo com o prazo determinado em cada um deles. 

O Tesouro Direto oferece duas principais vantagens: a garantia do governo federal, o que reduz o risco, e a alta liquidez, deixando o resgate do dinheiro mais acessível. Dessa forma, o Tesouro Direto é indicado para qualquer perfil de investidor.

São oferecidos 5 tipos de investimentos:

Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais 

Possuem rentabilidade fixa, ou seja, você sabe desde o início quanto o seu dinheiro vai render na data do resgate. São indicados para quem procura um investimento de médio e longo prazo. 

No Tesouro Prefixado com Juros Semestrais, os juros são pagos a cada seis meses até o vencimento do título.

Tesouro Selic 

É um título público atrelado à variação da Taxa Selic, portanto, com rentabilidade pós-fixada. A remuneração é diária e acumulada desde a aplicação até o vencimento do título. 

Por apresentar baixa volatilidade, não apresenta riscos para resgates antes do prazo. 

Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA com Juros Semestrais 

Seu rendimento é calculado pelo indicador da inflação (pós-fixado) mais os juros reais (prefixado). Por isso, ele é considerado um investimento híbrido. Como seu cálculo varia de acordo com a inflação, você consegue ter mais segurança em relação ao poder de compra de seu capital. 

Tesouro IPCA com Juros Semestrais funciona da mesma forma que o IPCA+, mas os juros são pagos a cada seis meses. 

Sobre o rendimento do Tesouro Direto incidem algumas taxas, como:

IOF – Imposto sobre Operações Financeiras:

Incide apenas sobre o rendimento da aplicação nos primeiros 30 dias. A alíquota pode chegar a zero, dependendo de quanto tempo você deixar o dinheiro investido, pois sua cobrança é regressiva. 

Taxa de custódia 

Cobrada semestralmente pela B3, para manter a segurança de dados do investidor. 

Imposto de Renda

É cobrado de forma regressiva. Então, quanto mais tempo você deixar seu dinheiro aplicado, menor será o valor cobrado. Confira abaixo a regressão da alíquota de acordo com o prazo:

Tempo % sobre o lucro 
Até 6 meses 22,5% 
181 a 360 dias 20%
361 a 720 dias  17,5%
Acima de 721 dias  15%

Ficou alguma dúvida? No vídeo a seguir, a gente explica um pouco mais sobre como aplicar no Tesouro Direto. Dá uma conferida: 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s