Forte queda do petróleo e os últimos destaques

BRASIL EM FOCO 

A tensão generalizada em relação aos efeitos econômicos do surto de coronavírus contribuiu para que o Ibovespa entrasse em queda livre de 4,14% fechando aos 97.996 pontos, na semana o índice recuou 8,09%. Após mais um leilão de swaps do Banco Central, com 40 mil contratos, o dólar comercial chegou a recuar, mas o Dólar PTAX se valorizou 0,55% cotado a R$ 4,6459, subindo nos últimos cinco pregões 3,27%. Os contratos de DI para janeiro de 2025 ficaram de lado, negociados a 6,02%.

Joice Hasselmann, que assumiu a liderança do PSL na Câmara, substituindo Eduado Bolsonaro, retirou cinco bolsonaristas de cargos de vice-liderança na Casa. A decisão de Rodrigo Maia permite suspender a participação de deputados que atuaram na formação do Aliança pelo Brasil dos cargos de liderança ou vice-liderança representando o PSL.  (Poder 360)

OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL 

A semana que foi marcada pela escalada da tensão sobre o coronavírus, corte surpresa do juros do Fed e indecisão sobre a produção de petróleo, fez com que o S&P 500 recuasse 1,71% na sexta, a 2.972,37 pontos, mas acumulou leve ganho de 0,61% nos últimos 5 dias. 

Os futuros do petróleo despencaram, depois que a reunião da Organização dos Países Produtores de Petróleo e seus aliados (Opep+) terminou não apenas sem um acordo para ampliar os cortes, como também sem consenso para a extensão dos cortes existentes. Os preços do Brent para maio encerraram o dia em queda de 9,44%, negociados a US$ 45,27 o barril na ICE, em Londres. Foi a maior queda diária da referência global desde outubro de 2008. Os contratos futuros do West Texas Intermediate (WTI), a referência americana, para abril terminaram o dia em queda de 10,06%, a US$ 41,28 o barril, na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex), o que configura o maior recuo diário desde março de 2009. (Valor)

Foram criados 273.000 novos postos de trabalho nos EUA em fevereiro, quase 100.000 a mais que o esperado pelo mercado. Mesmo com esse número robusto, os investidores americanos estão absortos na crise do coronavírus e dados que refletem um momento pré-surto, têm pouco impacto.  (Bloomberg)

Segundo a OMS taxa de letalidade do novo coronavírus essa semana foi atualizada para 3,4%. Especialistas, contudo, estão ponderando os dados estatisticamente. São considerados apenas os casos confirmados e como a doença possui sintomas leves, podendo ser assintomática e os próprios países estão estabelecendo critérios para a realização dos testes, o número de contaminados é muito provavelmente maior. Os EUA, por exemplo, só realizaram 3.000 testes. Com mais testes sendo realizados e mais pessoas confirmadas com Covid-19 o denominador aumenta, e esse percentual tende a cair. Um indício que corrobora com a hipótese de que essa taxa é menor é o caso do cruzeiro Diamond Princess em que todos os passageiros e funcionários foram colocados em quarentena e seguidos de perto. Mais de 707 pessoas no navio pegaram o vírus, com seis mortes, ou seja, a taxa de letalidade nesse ambiente controlado foi de cerca de 0,8%. (Bloomberg)

Semana abrindo com forte queda do petróleo, com a escalada na guerra de preços entre Arábia Saudita e a Rússia. A desvalorização chegou a 30%, a maior queda desde a Guerra do Golfo, em 1991. No momento, a queda é de 22%, com o WTI cotado a US$ 31,90 e o Brent a US$ 35,24.

Na Ásia, os índices das bolsas registraram quedas de mais de 5%. Na Europa, caem 6%. Os futuros de S&P 500 caíram mais de 5% e já ativaram o circuit breaker, implantado para limitar movimentos acentuados, enquanto os mercados monetários estão fechados.

Ao que tudo indica, teremos uma semana de altíssima volatilidade, com o coronavírus e o preço do petróleo como os protagonistas.  

RESUMO DOS MERCADOS 

Dólar PTAX R$ 4,6459 + 0,55%
DI Fut Jan/25 6,02% — 
Ibovespa  97.996,77 pts – 4,14%
S&P 500 2.972,37 pts – 1,71%
As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser  divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.

Deixe uma resposta