Impactos econômicos do Covid-19 na América Latina e no Caribe e os últimos destaques

BRASIL EM FOCO 

Como sexta-feira foi feriado, não tivemos pregão no Brasil.

O Banco Mundial publicou neste domingo o relatório “A Economia nos Tempos da COVID-19” (em inglês) no qual a instituição analisa os impactos econômicos do novo coronavírus na América Latina e no Caribe. O PIB da região como um todo deverá cair 4,6%, com o Brasil retraindo a economia em 5% em 2020. Além disso, o relatório identifica que quanto mais tempo durar a crise, maior a probabilidade de que as restrições de liquidez se tornem um problema de solvência, mas destaca que umas das fontes de resiliência do Brasil é que nossos bancos estão bem capitalizados e temos uma forte posição de reservas internacionais o que mitiga os riscos de contágio financeiro. Contudo, pequenas e médias empresas estão particularmente em risco e exigirão mais apoio.

Mesmo com poucos testes e subnotificação, o Brasil já é o 14º do mundo em casos e o que menos testa entre os 15 países. (O Globo).

O número de casos confirmados já passam dos 22.000 e as mortes somam 1.223.  (Painel Coronavírus)

OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL 

Nos EUA as bolsas também não funcionaram na sexta-feira.

A Smithfield Foods, maior processadora de carne suína do mundo, responsável por cerca de 5% de toda produção de suínos dos EUA, anunciou neste domingo o fechamento de sua fábrica no estado da Dakota do Sul, por tempo indeterminado devido a expansão de casos do novo coronavírus entre funcionários. As paralisações dos matadouros já atrapalham a cadeia de suprimento de alimentos dos EUA. (O Globo)

EUA, Arábia Saudita e Rússia chegaram a um acordo, no domingo, de cortar 9,7 milhões de barris por dia na produção para sustentar os preços do petróleo em meio à pandemia de coronavírus. Esse é o maior acordo da história para reduzir o fornecimento global de petróleo em 20%. Apesar da vitória diplomática de Trump, ainda há certa desconfiança por parte de muitos analistas que acreditam que esse corte não será o suficiente, visto uma redução na demanda na ordem de 1/3. O Brasil também participará dessa redução global da oferta de petróleo. (WSJ)

A aprovação do desempenho do trabalho do presidente Trump chega a um recorde na mais recente pesquisa da Fox News. Em um empate técnico, 49% aprovam o trabalho de Trump enquanto outros 49% dos eleitores o desaprovam. Entre os Republicanos, o número chega a 89% o que não está longe de seu recorde de 91 por cento, em janeiro.

A China registrou mais 108 infecções no domingo (12), em sua maioria, casos importados. A cidade de Harbin, no nordeste do país, está reforçando as regras para conter a propagação do coronavírus, estendendo os períodos de quarentena de certos visitantes para 28 dias. (Bloomberg)

A taxa de aumento de novos casos nos EUA caiu pelo segundo dia. A cidade de Nova York sozinha registrou 6.898 mortes. Nos EUA, como um todo são 557.590 casos e 22.109 óbitos, o número de contaminados pelo coronavírus no mundo é de 1,86 milhão, com 114.979 mortes. (Johns Hopkins)

Nesta manhã, as bolsas fecharam em queda na Ásia, o índice japonês Nikkei recuou 2,33%. Na Europa, hoje é feriado, as bolsas não operam. O viés dos futuros dos índices de Wall Street é de baixa. O acordo sobre o corte na produção de petróleo não animou o mercado e começa a temporada de divulgação dos balanços do primeiro trimestre.

Dólar PTAX  R$ 5,0779 – 2,58%
DI Fut Jan/25 6,67 % – 9 bps
Ibovespa 77.681,9 pts – 1,20%
S&P 500 2.789,82 pts + 1,45%
As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser  divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.

Deixe uma resposta