Resultado do Índice de Atividade Econômica do Banco Central e os últimos destaques

BRASIL EM FOCO 

A volatilidade marcou a semana no Brasil e no mundo, mas por aqui a crise política ditou o rumo dos mercados com o andamento das investigações das denúncias de Moro contra Bolsonaro e principalmente, na sexta, com a saída do ministro da Saúde, o Ibovespa terminou o dia em queda de 1,84% a 77.557 pontos, na semana, a queda foi de 3,37%. O dólar PTAX fechou cotado, na venda, a R$ 5,8229, com um recuo de 1,93% na sexta, na semana, avançou 1%. No mercado de  juros, os contratos DI para janeiro de 2025 eram negociados à taxa de 6,77%, diminuindo 3 pontos base, na semana, contudo, teve alta de 37 bps.

O Ministro da Saúde Nelson Teich, com menos de uma mês no cargo, pediu demissão na sexta-feira depois de não concordar com os pedidos do presidente Jair Bolsonaro de liberar o uso da cloroquina contra a COVID-19. O general Eduardo Pazuello assumirá de maneira interina o Ministério. Pazuello é atualmente o secretário-executivo da pasta. (CNN)

Também em Brasília, um projeto polêmico que estabelece um teto para as taxas de juros cobradas em operações com cartões de crédito e cheque especial foi alterado. O texto original do Álvaro Dias limitava os juros em 20% ao ano, mas o senador Lasier Martins entregou seu parecer nesta sexta-feira sugerindo um limite de juros de 30% (35% para as fintechs), restringindo a vigência desse teto enquanto durar o estado de calamidade pública. (Valor

O IBGE divulgou os dados do emprego no Brasil até março. A taxa de desocupação do país no 1º trimestre de 2020 foi de 12,2%, subindo 1,3 ponto percentual em relação ao 4º trimestre de 2019 (11,0%). Na comparação com o mesmo trimestre de 2019 (12,7%), houve queda de 0,5 p.p. (IBGE)

O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br), indicador de prévia do PIB, despencou 5,9% em março, ante o mês anterior, em relação a março de 2019, a queda foi de 1,52%. Nos três primeiros meses deste ano, a variação foi negativa em 1,95%. (BC)

Um estudo da UFRJ mostra que talvez a ideia de um “passaporte de imunidade” para aqueles que já contraíram a COVID-19 não seja factível, pois 40% das pessoas continuam positivas em testes moleculares (RT-PCR) após 15 dias do aparecimento dos sintomas, o que leva a sugerir que, potencialmente, continuam contagiosas, mesmo que os sinais da doença tenham desaparecido. O dado preocupa porque 14 dias é o prazo de quarentena padrão. E pior ainda é que há pessoas que voltam a dar positivo após um resultado de exame molecular para o vírus negativo. Além disso a maioria das pessoas com COVID-19 só desenvolve anticorpos específicos contra o coronavírus, os IgGs, a partir de 20 dias após o surgimento dos primeiros sintomas e não se sabe se eles de fato garantem proteção. (O Globo)

O empresário Paulo Marinho, ex-aliado de Bolsonaro, suplente de Flávio no Senado e pré-candidato do PSDB à Prefeitura do Rio de Janeiro deu uma entrevista à Folha afirmando que Flávio teria sabido com antecedência da operação Furna da Onça (que levou a investigação da prática de “rachadinha” envolvendo Fabrício Queiroz e o Flávio) por um delegado da PF entre o primeiro e o segundo turno das eleições de 2018 e que a PF segurou esse operação para que não prejudicasse a eleição de Bolsonaro. A Polícia Federal informou neste domingo (17) que vai investigar a denúncia de Marinho. A Procuradoria-Geral da República (PGR) ainda solicitou à PF que o depoimento do empresário Paulo Marinho seja incluído no inquérito que apura suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro no órgão.

O Brasil assume a quarta posição no ranking global de COVID-19 com 241.080 casos confirmados ficando atrás apenas dos EUA, Rússia e Reino Unido. As mortes somam 16.118. Ontem, 17 de maio, completaram-se dois meses da primeira morte registrada no Brasil.  (Painel Coronavírus)

OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL

Nos EUA, também com bastante volatilidade, boas perspectivas no desenvolvimento de um tratamento para a COVID-19 e dados econômicos que mostram uma recuperação da China impulsionaram os  índices acionários. O S&P 500 terminou o dia com ganho de 0,39%, a 2.863,70 pontos. As viradas inesperadas de quinta e sexta, no entanto, não anularam as perdas e, no acumulado da semana, o S&P 500 cedeu 2,26%.

A empresa de biotecnologia Sorrento Therapeutics (SRNE) afirmou que seu tratamento experimental contra o COVID-19 foi bem sucedido. Os testes pré-clínicos com anticorpos apresentaram “100% de inibição” do SARS-CoV-2 em quatro dias. Sorrento espera que esse anticorpo seja o primeiro em um coquetel de drogas que criaria um “escudo protetor” contra a infecção. (Investor’s Business Daily)

O National Bureau of Statistics of China divulgou uma série de indicadores econômicos do país. Os dados de produção industrial na China ajudaram a dar suporte às ações, indicando o início de uma recuperação. O valor agregado total das empresas industriais acima do tamanho designado, que havia caído 1,1% em março, cresceu 3,9% na comparação ao ano anterior em abril, ou 2,27% frente ao mês de março. Se a produção está retomando, o Índice do setor de Serviços enfrenta maiores dificuldades, caindo 4,5% ano a ano, uma queda de 4,6 pontos percentuais em comparação com março. No ano a retração é de 9,9% em relação ao ano anterior. Em abril, a taxa de desemprego urbana foi de 6,0%, 0,1 ponto percentual superior à de março.

Os dados do varejo americano vieram piores que o esperado. A receita de varejistas e restaurantes caiu 16,4% em abril em relação ao mês anterior, quase o dobro da queda de 8,3% em março. A projeção mediana do mercado era de um declínio de 12%.  (Bloomberg)

No mundo, o número de casos chegou a 4,7 milhões e 315.488 óbitos por coronavírus. Os EUA  ocupam o primeiro lugar com o 1.486.742 diagnósticos confirmados o que corresponde a quase 1/3 do total. O número de mortes se aproxima dos 90 mil.  (Johns Hopkins)

O presidente do Fed, o banco central americano, Jerome Powell, disse em entrevista, no domingo, que a recuperação nos EUA se estenderá para o final do próximo ano e que recuperação completa depende de uma vacina. Afirmou ainda que poderá ser necessário ter mais estímulos fiscais para se evitar danos de longo prazo para a economia. (CBS)

A semana começa com as bolsas em campo positivo na Ásia e na Europa. O Euro STOXX 50, índice das ações blue chips da zona do euro, avança 2,08%. Os futuros dos índices de Nova York apontam para um dia de alta. Os contratos futuros de petróleo com vencimento em junho do WTI são cotados a US$ 31,97, enquanto o Brent a US$ 34,52.

RESUMO DOS MERCADOS

Dólar PTAX R$ 5,8229 – 1,93%
DI Fut Jan/25 6,77% – 3 bps
Ibovespa 77.557 pts – 1,84%
S&P 500 2.864 pts + 0,39%
As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser  divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.

Deixe uma resposta