O Mercado de Ações

Neste módulo apresentaremos uma introdução sobre o mercado de Bolsa de valores. Para início de conversa, entender um pouco da sua história. Mostraremos nos demais módulos pontos importantes para que você entenda e de forma segura faça seus investimentos no mercado de renda variável. Mas você deve se perguntar. O que é uma Bolsa de valores, como funciona, qual a sua história?

Talvez a dúvida seja, o que é uma ação? Como eu posso comprar e vender uma ação? Tenho que ter muito dinheiro para isto? O que é análise técnica?  Muitas dúvidas né. Seja sim curioso e responderemos estas dúvidas e outras que surgirem nos próximos módulos. Teremos o cuidado de explicar a seguir de forma padronizada para que sua leitura seja agradável e tudo seja explicado em detalhes.

Vamos lá!

A Bolsa de Valores, um pouco de história….

Em sua constituição original as bolsas de valores era instituições financeiras, mas associações cíveis sem fins lucrativos, constituídas pelas corretoras de valores para fornecer a estrutura para o mercado de ações.

As resoluções 2.690, de 28.01.2000, e 2.709, de 30.03.2000, ambas do Banco Central, disciplinaram a nova constituição, a organização e o fundamento das bolsas de valores, aumentando e revolucionando a sua flexibilidade. Por estas novas regras, as bolsas poderiam deixar de ser entidades sem fins lucrativos e se transformarem em sociedades anônimas se quisessem. Não somente as corretoras poderiam ser sócias, mas, também qualquer pessoa física e/ou jurídica. Esse processo conhecido como desmutualização, resulta na abertura de capital das bolsas de valores, permitindo que suas ações também sejam negociadas. Com a desmutualização, as corretoras deixam de ser integrantes de uma associação e se tornam sócias de uma empresa.

As empresas de capital aberto, cujas ações estão registradas em bolsa de valores, estão sujeitas a uma séria de exigências quanto ao fornecimento de informações junto ao público.

Embora autônomas, operam sob supervisão da CVM (Comissão de Valores Mobiliários) de quem são órgãos auxiliares, fiscalizando os respectivos membros e as operações nelas realizadas.

As empresas de capital aberto, cujas ações estão registradas em bolsa de valores, estão sujeitas a uma série de exigências quanto ao fornecimento de informações junto ao público. Estas empresas têm obrigação a todo um conjunto de regras de divulgação de informações a seus acionistas. 

A Bolsa de Valores, em síntese, é o local especialmente criado e mantido para negociação de valores mobiliários em mercado livre e aberto, organizado pelas corretoras e autoridades. Por valores mobiliários entendem-se títulos, tais como debentures, ações e outros. 

O que é uma ação

Uma ação são títulos de valores mobiliários de renda variável, emitido por uma sociedade anônima.

Ações são títulos nominativos, negociáveis, que representam uma fração do capital de uma empresa. Representa a menor fração do capital da empresa.

Então quando acessamos o nosso “Home Broker”, plataforma de negociação, falaremos dela com mais detalhes nos próximos capítulos. Podemos compra ou vender uma fração de uma empresa listada na bolsa de valores.

A empresa Petrobras está listada na bolsa de valores? Sim, e representado por exemplo pelo Ticker PETR4 (uma ação de classe preferencial) e PETR3 (uma ação de classe Ordinária). Em ação podemos operar dois tipos de mercado, o de lote padrão e o Fracionário.

No mercado de lote padrão, o lote mínimo de compra ou venda são 100 ações. E no mercado fracionário e possível comprar ou vender 1 ação. Bem, já estamos entendendo alguns pontos iniciais. 

Neste caso como exemplo, se a ação da Petrobras estiver cotada na bolsa de valores a R$ 18,00 você deve possuir na sua conta de investimentos para comprar 100 ações da Petrobras 100 x R$ 18,00 resultando em R$ 1.800,00. Vale lembrar que é cobrado corretagem e emolumentos ao se realizar uma operação. Falaremos mais adiante sobre o assunto.

Existem algumas formas de se obter lucro para o investidor: Pagamento de dividendos, bonificação, direito a subscrição em caso de emissão de novas ações ou valorização das ações em bolsa de valores.

Tipos de ações?

Ações ordinárias (ON): Concede o direito de voto nas assembleias da companhia ao detentor e proporcionam participação não preferencial nos resultados.

Estas ações possuem uma característica especial chamada Tag Along. O que significa? Neste caso garante que em uma eventual troca de controle os detentores das ações ON tem a garantia que receberão pelo menos 80% do que será pago pelo bloco controlador.

As ações ON são representadas pelo número 3 após as 4 letras que formam o seu código. Exemplo: CIEL3 (Cielo – setor financeiro), TIMP3 (TIM – Operadora de telecomunicação) e CSNA3 (Companhia Siderúrgica Nacional – Siderúrgica).

Ações preferências (PN):  Preferência no recebimento dos resultados ou no reembolso do capital em caso de liquidação da companhia e não concedem direito a voto. Uma boa característica desta classe de ação e caso a empresa não distribua dividendos após três exercícios, os acionistas preferenciais adquirem direito a voto.

As ações PN são representadas pelo número 4 após as 4 letras que formam o seu código. Exemplo: PETR4 (Petrobras – setor de Óleo e Gás), BBDC4 (Bradesco – Banco) e GOAU4 (Gerdau – Siderúrgica).

Eventos Corporativos

Um evento corporativo é uma deliberação da empresa que impacta as ações emitidas. São propostos pelo Conselho de Administração e aprovados em Assembleia Geral.

Eventos como dividendos ou juros sobre capital próprio geram benefícios diretos para o investidor uma vez que a empresa paga um valor financeiro por ação detida pelo investidor. Já bonificações, desdobramento e grupamentos alteram a quantidade de ações detidas pelos investidores em uma proporção definida pela empresa, independentemente de qualquer ato seu, sendo, portanto, considerados eventos involuntários.

Entre os eventos voluntários, temos o direito de subscrição de novas ações que pode ou não ser exercido pelo investidor.

Os eventos mais comumente deliberados pelas empresas que beneficiam seus acionistas são:

  • dividendos: parcela dos lucros paga aos acionistas em dinheiro, estabelecida no estatuto da empresa (no mínimo, iguais a 25% do lucro anual da empresa).
  • juros sobre o capital próprio: além da distribuição de dividendos, a empresa pode remunerar seus acionistas por meio do pagamento de juros sobre o capital próprio com base em reservas patrimoniais de lucros retidos em exercícios anteriores. Esse procedimento segue regulamentação específica.
  • bonificação em ações: distribuição gratuita de ações aos acionistas de forma proporcional as parcelas que estes possuem. Resulta do aumento de capital, por incorporação de reservas ou lucros em suspenso. Representa a atualização da cota de participação do acionista no capital da empresa.
  • bonificação em dinheiro: além de distribuir os dividendos aos seus acionistas, as empresas poderão, em alguns casos, conceder uma participação adicional nos lucros, realizando, assim, uma bonificação em dinheiro.
  • direito de preferência na aquisição de ações (subscrição): os acionistas ainda podem ter o direito de aquisição de novo lote de ações (com preferência na subscrição) em quantidade proporcional as possuídas. Vale observar que o exercício de preferência na subscrição de novas ações não é obrigatório. Dessa forma, o acionista poderá vender esses direitos a terceiros em bolsa.

Concluímos aqui esse módulo. Esperamos que tenha ajudado a entender um pouco mais sobre a Bolsa de Valores e o que é uma ação. Não deixe de conferir o próximo módulo. Vamos falar sobre Índice de ações, como é a Governança Corporativa e o que é IPO.

Curso desenvolvido pela Euroinvest

Deixe uma resposta