Gestores: investidor deve olhar empresas líderes que têm potencial de recuperação no médio e longo prazos

A estrategista chefe da Órama, Sandra Blanco, recebeu os sócios da LIS Capital, Fernando Pina e Tito Ávila, para uma conversa sobre como defender os ganhos em Fundos de Ações em meio à crise. Na entrevista, realizada em live no Instagram da plataforma de investimentos, os dois gestores abordaram suas estratégias para o mercado atual e no longo prazo.

Um dos pilares da gestora, segundo os sócios, é manter hedges consolidados como proteção aos riscos. Eles argumentam que, diante da atual crise e da impossibilidade de prever os impactos macroeconômicos da pandemia, uma das certezas é que haverá resultados negativos e que, no Brasil, eles serão ainda mais fortes.

“O que tentamos fazer é não especular muito e sempre ter proteção. A pandemia mostrou que estamos no caminho certo com essa estratégia. Vamos continuar gastando para proteger o portfólio”, afirma Pina.

Questionados por um espectador sobre segmentos nos quais a LIS Capital vem evitando investir, em razão de impactos negativos da pandemia nas atividades econômicas, os gestores responderam que evitam julgamentos ao olhar para os setores.

“Achamos que o país e o mundo passarão por recessão. O bolo dos setores vai diminuir, mas pode ser que uma empresa líder, bem capitalizada, aumente sua fatia em seu campo de atuação. Infelizmente, muitos competidores vão ficar pelo caminho”, aponta Pina.

“Porém talvez, nos segmentos que mais estão sofrendo agora, existam empresas que vão conseguir sobreviver e construir mais valor no longo prazo, dentro de dois ou três anos. Para o investidor e o mercado, é essencial avaliar os efeitos não apenas da primeira hora. Claro que o varejo vai sofrer, mas vamos avaliar quem entrou nesse cenário bem preparado”, complementa Ávila.

Resultados e estratégias

Além do foco na proteção, Pina reforça que a LIS Capital segue uma estratégia de buscar as discrepâncias entre preço e valor nas empresas — sem considerar especialmente se uma companhia é conhecida no mercado ou não.

“Um negócio vale muito mais do que seu preço na Bolsa. Nossa investigação vai aos detalhes e pode durar meses. Não necessariamente olhamos os setores mais quentes, mas sim as boas empresas, se o preço é bom e quem são os sócios. Eventualmente, podemos ir contra o que outros gestores estão fazendo, e não vemos problema”, afirma.

Outra característica da gestora, segundo os sócios, é o foco na definição de processos, que sirvam, principalmente, para mitigar os vieses cognitivos. Ou seja, que diminuam o peso do emocional dos analistas e especialistas nas decisões, mesmo em momentos positivos.

“Os processos são uma tentativa de nos blindar dos vieses. Isso vem de uma das áreas mais estudadas no mercado, a de finanças comportamentais”, indica Ávila.

Os sócios da LIS Capital foram convidados da programação especial preparada pela Órama durante a pandemia. Por meio de lives, podcasts e textos, a plataforma de investimentos quer ajudar o brasileiro a entender os impactos da crise provocada pelo novo coronavírus na economia e nos mercados. Os conteúdos estão disponíveis nos canais digitais da Órama: Instagram, YouTube, Spotify e blog. Confira a programação:

Programação | Órama Investimentos

Live no YouTube

Quarta-feira (20/05)

20h – Depois da Pandemia: o tema é a reinvenção do agronegócio. O head comercial da Órama Hugo Daniel Azevedo recebe Cassiano Machado Ribeiro, da revista Globo Rural.

Lives no Instagram

Sexta-feira (22/05)

18h30 – Especialistas Órama: entenda a importância da diversificação dos investimentos e confira exemplos de carteiras com Sandra Blanco e Alexandre Espirito Santo, economista da Órama.

Textos no blog

Segunda a sexta-feira

10h – Panorama Diário: as principais notícias do Brasil e do mundo.

Podcast no Spotify

Saúde Mental e Investimentos: existe uma personalidade ideal? O psicólogo financeiro Celso Sant’ Ana explica.

Fonte: G.Lab

 

Deixe uma resposta