Conflitos entre as Forças Armadas e Gilmar Mendes e os últimos destaques

BRASIL EM FOCO

O otimismo inicial dos investidores se dissipou ao longo do dia, após a notícia de que devido ao novo surto de Covid-19, a Califórnia estaria fechando mais uma vez bares e restaurantes. O Ibovespa, que acompanhou os índices americanos desacelerou no fim do pregão e virou para o território negativo fechando em queda de 1,33% aos 98.697,10 pontos. No câmbio, o dólar Ptax avançou 0,09%, sendo cotado, na venda, a R$ 5,3486. No mercado de juros futuros, os contratos de DI com vencimento em janeiro de 2025 avançaram 8 pontos base e eram negociados à taxa de 5,65%

O Relatório Focus do BCB com a expectativa do mercado apontou, ontem, para uma queda um pouco menor do PIB brasileiro para 2020. Na semana anterior, a previsão era de queda de 6,5% para PIB agora esse número está em 6,1%. A projeção de inflação subiu de 1,63% para 1,72%, até o fim do ano. 

A Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) emitiu um parecer ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações em que se posiciona favoravelmente à abertura do controle de telecomunicações ao capital estrangeiro. Hoje, o Decreto 2617/1998 exige que “a maioria das cotas ou ações com direito a voto pertença a pessoas naturais residentes no Brasil ou a empresas constituídas sob as leis brasileiras e com sede e administração no País”. Essa restrição limita o interesse do investidor estrangeiro gerando um custo a mais para o capital no país.

As tensões entre o Judiciário e as Forças Armadas ganhou mais um capítulo.  O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e os chefes das Três Forças — Marinha, Exército e Aeronáutica —  enviaram uma nota de repúdio ao Supremo Tribunal Federal (STF), em resposta à fala do ministro Gilmar Mendes, de que os militares estariam seassociando a esse genocídio” da pandemia de coronavírus pelo fato do ministro interino da Saúde ser um militar. A primeira resposta dos militares foi mais genérica e esperava-se um pedido de desculpas do Gilmar Mendes, que não ocorreu. Apesar da escalada, é pouco provável que o STF leve o caso adiante e chegue a pressionar para que a Procuradoria-Geral da República entre com uma representação contra Gilmar. O clima entre os poderes estava mais tranquilo nos últimos dias e é prudente deixar os ânimos se acalmarem. Jair Bolsonaro ficou distante e não quis entrar na discussão. Gilmar Mendes é o relator do caso de Flávio no Supremo. (Folha/Correio Braziliense/O Globo)

A discussão sobre a derrubada ou não do veto presidencial à prorrogação da desoneração da folha a 17 setores até o fim de 2021, ainda não tem um desfecho certo. Uma das propostas na mesa, que será apresentada pelo líder do governo no Congresso, senador Eduardo Gomes (MDB-TO), é um meio-termo entre o desejo do governo e a pressão dos empresários. A ideia seria prorrogar o benefício fiscal por seis meses, e não um ano como na MP original. O senador explicou que isso evitaria aumentar o custo para esses setores em plena crise e daria mais tempo para que as discussões sobre reforma tributária deslanchem no Congresso. A equipe econômica argumenta que a MP não indica a fonte de recursos para a renúncia de receitas, o que é inconstitucional, e propõe uma mini reforma tributária que, ao invés de beneficiar apenas 17 setores, traria melhorias para a economia como um todo. (O Globo

Itaú e Caixa já atingiram o limite máximo de empréstimos pelo Pronampe. O Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte  é uma linha de crédito no valor de R$ 15,9 bilhões para financiar capital de giro para microempresas com faturamento anual de até R$ 4,8 milhões. (Valor)

Segundo o Painel Coronavírus do Ministério da Saúde, o  Brasil ultrapassou os 72,8 mil mortos e 1,88 milhão de casos confirmados.  Se considerarmos a média móvel de 7 dias, o país registrou 1.052 óbitos diários entre 6 a 13 de julho.

OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL

Nos EUA, o mercado também virou ao longo do dia e o S&P 500 recuou 0,94%, aos 3.155,22 pontos, com o surto de coronavírus impondo mudanças nos processos de reabertura econômica.

Os casos de coronavírus nos EUA continuaram a aumentar na segunda-feira, com alguns estados adotando novas medidas para conter a transmissão. A Califórnia decretou uma interrupção imediata das atividades em restaurantes, bares, museus, zoológicos e cinemas. O Oregon proibiu reuniões sociais internas com mais de 10 pessoas. Flórida, que viu novas infecções diárias saltarem no fim de semana, juntou-se ao Arizona, Texas e Michigan que recentemente levantaram novas restrições ao funcionamento de bares. (WSJ)

O desemprego nos EUA trouxe também outra consequência grave em plena pandemia: cerca de 5,4 milhões de americanos perderam o seguro de saúde entre fevereiro e maio. Um estudo realizado pelo Families U.S.A. revelou que a taxa dos americanos que ficaram sem seguro saúde por terem perdido seus empregos foi quase 40% maior do que o recorde anterior, que ocorreu durante a recessão de 2008 e 2009. Nesse período, 3,9 milhões de adultos perderam o seguro. No Texas, um dos estados mais afetados pelo coronavírus, três em cada 10 texanos estão sem seguro saúde. (NYT)

O primeiro-ministro Boris Johnson se reúne hoje com Conselho de Segurança Nacional (NSC) da Grã-Bretanha e deve proibir a Huawei de entrar com a infraestrutura de rede 5G no Reino Unido. Johnson se aproxima assim de Donald Trump e se afasta da China, em um momento em que o país está saindo da União Europeia e precisa estabelecer parcerias comerciais e diplomáticas de forma independente. O argumento britânico é que as novas sanções dos EUA à China afetam a capacidade da Huawei de permanecer um fornecedor confiável.  (Reuters)

A China anunciou que iria impor sanções à Lockheed Martin, depois que os EUA aprovaram um possível acordo de US$ 620 milhões para Taiwan comprar peças para reformar mísseis defensivos feitos pela empresa. (Bloomberg)

No mundo, o número de casos ultrapassou os 13,11 milhões, com mais 573 mil óbitos por coronavírus. (Johns Hopkins)

Nesta manhã, as bolsas asiáticas fecharam queda e na Europa os índices também operam no negativo com o receio de que as medidas mais restritivas que sendo adotadas novamente possam atrasar a recuperação econômica. Os futuros nos EUA, por outro lado, após o recuo de ontem, apontam para uma alta na abertura. O preço do petróleo cai 1%. 

RESUMO DOS MERCADOS

Dia Semana Mês Ano
DI Jan 2025 5,65% 8 bps 8 bps -3 bps -80 bps
Dólar PTAX (R$) 5,3486 0,09% 0,09% -2,33% 32,70%
Ibovespa (pts) 98.697,10 -1,33% -1,33% 3,83% -14,66%
S&P 500 (pts) 3.155,22 -0,94% -0,94% 1,77% -2,34%
As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser  divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.

 

Deixe uma resposta