Vacinação da população contra Covid-19 em 2021 e os destaques da semana

Panorama semanal de 20 a 24 de julho*

No exterior, os temas dominantes no noticiário semanal são as vacinas e a escalada da tensão entre EUA e China. No Brasil, é o envio de parte da Reforma Tributária ao Congresso.

Apesar de notícias envolvendo respostas imunológicas positivas de três vacinas contra a Covid-19, a Organização Mundial da Saúde acredita que a vacinação efetiva da população mundial só ocorrerá em 2021. Gerou repercussão o fato de algumas farmacêuticas não garantirem preços de custo quando suas vacinas estiverem sendo comercializadas. 

O governo americano mandou fechar o consulado chinês em Houston, com a alegação de proteger “propriedade intelectual e informações nacionais”, e o presidente Donald Trump disse que pode fechar outros consulados. Em retaliação, o governo chinês já determinou o fechamento do consulado americano na cidade de Chengdu. 

Na Europa, líderes da União Europeia fecharam um pacote de estímulo de 750 bilhões de euros. Parte dos recursos será direcionada aos países mais afetados pela pandemia do novo coronavírus em forma de doação. 

Nos EUA, novos pacotes de estímulo também estão sendo debatidos entre o Tesouro e o Congresso. A retomada da economia é incerta. Lá, o número de pedidos de seguro-desemprego voltou a subir depois de várias semanas em queda, para 1,4 milhão. A alta influenciou negativamente os mercados. Desde março, são 52,7 milhões de pedidos de seguro-desemprego.

O secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin, afirmou que o país vai proteger o dólar. 

Aqui no Brasil, o destaque foi a agenda das reformas econômicas. Na proposta enviada ao Congresso, o governo propõe a unificação do PIS e da Cofins, criando a Contribuição Social sobre Operações com Bens e Serviços (CBS), com alíquota de 12%. As propostas de mudança no Imposto de Renda e a desoneração da folha de pagamentos ficaram para fases posteriores.

A Câmara dos Deputados aprovou o aumento do aporte do governo federal no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) de 10% para 23%. A aprovação do Fundeb pôs em xeque a articulação política do governo, que era contra o aumento do percentual.

Como reflexo da pandemia, a arrecadação de impostos federais registrou queda de 29,6% em junho, totalizando R$ 86,25 bilhões.

O IPCA-15, prévia da inflação oficial, acelerou para 0,30% em julho. 

No pregão desta quinta-feira, seguindo a tendência das bolsas americanas, o Ibovespa fechou em queda de 1,9%, a 102.293 pontos. O dólar comercial avançou 1,81%, cotado a R$ 5,213.

Obrigada, bom fim de semana e até o próximo Panorama Semanal.

* Dados atualizados até as 10h30 do dia 24/7.

 

 

 

 

Deixe uma resposta