Os efeitos da pandemia no mercado de trabalho e os últimos destaques

RESUMO DOS MERCADOS

   Cotação  Dia Semana Mês Ano
Ibovespa (pts)98.289,70-1,81%-0,07%-1,09%-15,01%
Dólar PTAX (R$)5,28890,56%0,07%-3,33%31,22%
DI Jan 2025 (bps)6,35%333744-10
S&P 500 (pts)3.319,47-1,12%-0,64%-5,17%2,75%

BRASIL EM FOCO
DESTAQUES: o índice brasileiro teve forte queda na sexta, mas fechou a semana próximo da estabilidade. Os ruídos políticos envolvendo Bolsonaro e a equipe econômica, assim como as incertezas quanto à questão fiscal e o Renda Brasil, contribuíram para o fraco desempenho na semana. O impacto da política fiscal também fez preço no mercado de juros, devido às dúvidas sobre a capacidade do Tesouro Nacional de refinanciar a dívida pública. 

INFLAÇÃO: o Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M) registrou inflação de 4,57% na segunda prévia de setembro, ante 2,34% no mesmo período. A taxa acumulada em 12 meses pela segunda medição mensal do IGP-M passou de 12,58% para 18,20%. (Valor)

PNAD COVID: a pesquisa Pnad Covid do IBGE, que busca identificar os efeitos da pandemia no mercado de trabalho, apontou na sexta (18) que a maior flexibilização do isolamento vem fazendo com que as pessoas passem a procurar emprego, o que estatisticamente pressiona a taxa de desemprego, que bateu 14,3%, o maior nível desde o início da pandemia. São, ao todo, 13,7 milhões de desempregados. (IBGE)

AJUSTE FISCAL:  os gatilhos da Emenda Constitucional 95, que instituiu o teto de gastos, da PEC Emergencial (186) e do Pacto Federativo (188), não abrem espaço para o aumento dos investimentos ou para o Renda Brasil. Segundo especialistas, no melhor das hipóteses, essas medidas impedem que as despesas cresçam mais do que a inflação. Isso porque o crescimento vegetativo de despesas, como a previdência, já tomariam o espaço aberto. Medidas que poderiam ter efeito fiscal, como a desindexação das aposentadorias ou o fim do abono salarial e seguro defeso, foram inviabilizadas politicamente pelo próprio Bolsonaro. (Valor)

CORONAVÍRUS NO BRASIL: o país ultrapassou os 4,54 milhões de casos confirmados e 137 mil óbitos em decorrência da Covid-19. (Ministério da Saúde)


OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL 
DESTAQUES EXTERNOS: pela terceira semana consecutiva, os índices acionários americanos fecharam em queda. As ações de tecnologia continuaram com desempenho negativo, mas, em semana de decisão do FOMC, o setor de consumo discricionário foi o que mais caiu com a preocupação dos investidores sobre a capacidade de recuperação da economia e do governo fornecer mais estímulos fiscais e monetários efetivos, 

TRUMP E VACINA: o presidente Donald Trump disse que seu governo espera poder vacinar todos os americanos contra o novo coronavírus até abril de 2021. “Teremos fabricado pelo menos 100 milhões de doses de vacina, até o final do ano”, disse Trump, em entrevista coletiva na sexta-feira (18). A projeção de Trump é mais otimista e ambiciosa do que a dos executivos da indústria farmacêutica e outras autoridades de saúde, incluindo Anthony Fauci e o diretor do Centro de Controle e Prevenção de Doenças, Robert Redfield, que disseram que a maioria dos americanos não deve esperar uma vacina antes de meados de 2021. (Bloomberg)

TIKTOK: o acordo com a TikTok, que Donald Trump assinou no sábado, não cumpre quase nada do que o presidente inicialmente pediu. Trump disse que queria que a parte americana do negócio pertencesse a uma empresa americana. Mas a ByteDance Ltd. da China continua sendo a acionista majoritária de uma nova empresa que incluirá a Oracle e o Walmart. Trump ainda queria que os dados ficassem nas mãos dos americanos, por razões de segurança nacional. E ele conseguiu: a Oracle se torna o provedor de nuvem da TikTok, assumindo a responsabilidade de hospedar dados do usuário em servidores dentro dos EUA, mas o algoritmo em si ainda pertencerá ao ByteDance. Uma vitória alegada por Trump é que a nova empresa terá uma sede no Texas e deverá contratar 25.000 americanos, embora não tenha sido fornecido nenhum detalhamento ou cronograma para a contratação. (Bloomberg)

SUPREMA CORTE EUA: a juíza da Suprema Corte Americana, Ruth Bader Ginsburg, faleceu na sexta-feira (18). Ginsburg era de uma vertente mais progressista da corte e a tentativa de rápida nomeação por parte de Trump, vem atraindo a atenção dos democratas da possibilidade de a Corte ficar “desbalanceada” para o lado conservador. A seis semanas das eleições, uma pesquisa da Reuters / Ipsos divulgada no domingo revelou que 62% dos adultos americanos, incluindo metade dos republicanos entrevistados, acham que Ginsburg deveria ser substituída pelo vencedor da eleição de novembro. O presidente Donald Trump disse que provavelmente escolherá uma mulher para substituí-la ainda essa semana. Para barrar essa nomeação, os democratas precisam de 4 votos republicanos no Senado, ( ReutersBloomberg)

CORONAVÍRUS: Nos EUA os infectados ultrapassaram os 6,81 milhões e as mortes chegaram a 199,5 mil. No mundo, o número de casos confirmados é de 31,08 milhões e os óbitos somam 961 mil. (Johns Hopkins)

HOJE: na Ásia, os mercados fecharam sem direção definida com destaque para o índice de Hong Kong (Hang Seng) que teve queda de 2,06%. Os índices na Europa operam em forte queda, de mais de 3%, com receio de que novos lockdowns possam ser decretados e o relatório sobre transações suspeitas de bancos internacionais. Os futuros de Wall Street também apontam para uma abertura no vermelho, em meio às discussões sobre a indicação para a Suprema Corte.

As informações contidas neste material têm caráter meramente informativo, não constitui e nem deve ser interpretado como solicitação de compra ou venda, oferta ou recomendação de qualquer ativo financeiro, investimento, sugestão de alocação ou adoção de estratégias por parte dos destinatários. Este material é destinado à circulação exclusiva para a rede de relacionamento da Órama Investimentos, incluindo agentes autônomos e clientes, podendo também ser  divulgado no site e/ou em outros meios de comunicação da Órama. Fica proibida sua reprodução ou redistribuição para qualquer pessoa, no todo ou em parte, qualquer que seja o propósito, sem o prévio consentimento expresso da Órama.

Deixe uma resposta