Anúncio do Renda Cidadã adiado e os destaques da semana

Panorama Semanal de 5 a 10 de outubro*

A questão fiscal brasileira e o cenário americano seguem no foco do noticiário. Nos EUA, o quadro girou em torno do pacote de estímulos, da saúde de Donald Trump, infectado com Covid-19, e da proximidade das eleições. No Brasil, cresceu a percepção de que o quadro fiscal está cada vez mais complexo. O programa Renda Cidadã, a força do ministro Paulo Guedes no governo e declarações do presidente Bolsonaro geraram ruídos.

Após declarações desencontradas, Trump anunciou um pacote menor de estímulos, de US$ 25 bilhões, voltado às companhias aéreas. A decisão de fatiar os recursos de um pacote inicialmente proposto na casa de US$ 1 trilhão não agradou os democratas. No início da semana, o presidente americano havia “fechado as portas” para negociações a respeito de novos estímulos antes das eleições.

Donald Trump retornou à Casa Branca esta semana, depois de ficar por três dias internado para tratamento da Covid-19. Há dúvidas quanto ao seu estado de saúde e há questionamentos quanto aos protocolos de isolamento. Trump minimizou o vírus, referiu-se à doença como uma bênção de Deus e conclamou os americanos a não deixar que isso domine suas vidas.

No compasso da campanha, o democrata Joe Biden vem abrindo vantagem em relação a Trump.

O número de pedidos de auxílio-desemprego nos EUA ficou em 840 mil na semana passada.

Na Europa, a presidente do BCE, Christine Lagarde, disse que pode injetar mais estímulos monetários e até cortar ainda mais a taxa de juros – já negativa.

E o Parlamento Europeu refutou ontem o acordo entre a União Europeia e o Mercosul. O motivo são as preocupações com a política ambiental brasileira.

O preço do petróleo subiu após a aproximação do furacão Delta do Golfo do México, que acarretou na evacuação de plataformas na região, o que diminui as projeções de produção.

Por aqui, mais capítulos da novela Renda Cidadã, que teve seu anúncio adiado para a semana que vem, por ora… O governo não quer anunciar agora – antes das eleições – medidas impopulares para financiar o programa. Circularam especulações de que, caso a votação do Renda Cidadã não ocorra ainda este ano, o auxílio emergencial seria novamente prorrogado. Mas o ministro da Economia, Paulo Guedes, negou essa possibilidade. Bolsonaro afirmou que a palavra final da Economia é de Guedes. E dele também.

Uma notícia considerada boa foi a reconciliação entre Guedes e o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Eles se comprometeram com as reformas e o equilibrio fiscal.

Sobre a Lava Jato, Bolsonaro disse que acabou com a operação, “porque não tem mais corrupção no governo”. O ex-ministro da Justiça Sergio Moro disse que “as tentativas de acabar com a Lava Jato representam a volta da corrupção”.

A inflação medida pelo IPCA subiu 0,64% no mês de setembro, acima das expectativas. O indicador, divulgado pelo IBGE, é o maior já registrado para um mês de setembro desde o ano de 2003. Os alimentos continuam pressionando.

No pregão desta quinta-feira, o Ibovespa fechou em alta de 2,51%, aos 97.919 pontos – principalmente devido ao bom humor nos mercados americanos, após Trump anunciar o estímulo. O dólar fechou em queda de 0,62%, cotado a R$ 5,588.

Obrigada, bom fim de semana e até o próximo Panorama Semanal.

  • Dados atualizados até as 9h do dia 9/10.

Deixe uma resposta