Política e economia sob o mesmo teto: o teto dos gastos

A discussão sobre a manutenção do teto dos gastos e o financiamento do Renda Cidadã tem gerado opiniões divergentes em Brasília. Na coluna de hoje, Alexandre Espirito Santo comenta os impactos dessa questão no mercado:

As ideias de usarmos o Fundeb, precatórios e novos impostos não me parecem coerentes e têm deixado o mercado financeiro ressabiado, vislumbrando um “teto cheio de goteiras”, com impactos significativamente ruins sobre juros futuros, dólar e bolsa.

Com uma analogia aos três mosqueteiros, ele explica as ações necessárias pra que o “um por todos, todos por um” passe a valer na economia do país. Confira a coluna completa.

Deixe uma resposta