Auxílio emergencial pode ser prorrogado e os últimos destaques

Sexta-feira, 13 de novembro de 2020

RESUMO DOS MERCADOS

Cotação DiaSemanaMêsAno
Ibovespa (pts)102.507,00-2,20%1,57%9,11%-11,36%
Dólar PTAX (R$)5,40940,14%-2,20%-6,28%34,21%
DI Jan 2025 (bps)6,75%824130
S&P 500 (pts)3.537,01-1,00%0,79%8,17%9,48%

BRASIL EM FOCO

DESTAQUES

O aumento dos casos de Covid-19 está no radar do investidor e do Paulo Guedes. O ministro alertou o mercado sobre a possibilidade de extensão do estado de calamidade e do auxílio emergencial em virtude de uma segunda onda no Brasil. Com isso, após altas recentes, o índice brasileiro teve um dia de queda e realizações. 

AUXÍLIO EMERGENCIAL

Ao responder a uma pergunta sobre a possibilidade de prorrogação do auxílio emergencial, Guedes disse que, se houver uma segunda onda de contaminações pela covid-19 no Brasil, a prorrogação não é uma possibilidade, mas uma certeza, mas que esse não é o “plano A” do governo. Guedes ponderou que há um compromisso com as futuras gerações e o nível de endividamento do governo é uma preocupação constante. No caso da extensão do benefício haverá uma calibragem dos instrumentos e, em vez de gastar 10% do PIB, como foi neste ano, o governo estima gastar 4% do PIB em 2021. O ministro também reforçou a ideia de criar imposto sobre dividendos e para desonerar a folha de pagamentos, a proposta de ampliar a base de tributação por meio de um imposto sobre transações digitais continua na pauta. (Valor)

POPULARIDADE DO GOVERNO

O governo do presidente Jair Bolsonaro é aprovado por 49% dos brasileiros que receberam ou aguardam receber o auxílio emergencial. É o que mostra pesquisa PoderData , realizada de 9 a 11 de novembro. Por outro lado, 42% dos beneficiários desaprovam a administração federal. No total da população, o governo é aprovado por 45% e desaprovado por 43%. Sobre o desempenho de Jair Bolsonaro como presidente, 36%  o classificam como ótimo e bom, 21% regular e 40% ruim/péssimo.

MILITARES

O comandante do Exército, general Edson Leal Pujol, fez uma rara manifestação na qual buscou delimitar seu distanciamento da ala militar do governo Jair Bolsonaro. Ele afirmou “Não queremos fazer parte da política, muito menos deixar ela entrar nos quartéis“. Dos 23 ministros do governo Bolsonaro, 9 são de origem militar. (Folha)

VACINA

O presidente da Pfizer no Brasil, Carlos Murillo, afirmou que o país poderá ter a vacina contra Covid-19 disponível para a população no 1º trimestre de 2021, caso as etapas de verificação de eficácia junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) evoluam dentro da normalidade. (Valor)

CORONAVÍRUS NO BRASIL

O país ultrapassou os 5,78 milhões de casos confirmados e 164 mil óbitos em decorrência da Covid-19. (Ministério da Saúde )


OBSERVATÓRIO INTERNACIONAL 

DESTAQUES EXTERNOS

O avanço da segunda onda de Covid-19 nos EUA pressiona as bolsas para baixo e os três principais índices de Wall Street fecharam o dia em queda. Há um temor de que novas medidas de restrição possam ser implementadas, visto que pelo nono dia consecutivo os EUA registram mais de 100 mil novos casos. 

TRANSIÇÃO DE PODER

Alguns republicanos do Senado apoiaram dar ao presidente eleito Joe Biden acesso a briefings confidenciais da inteligência da Casa Branca, dizendo que tal medida não prejudicaria os esforços do presidente Trump para contestar o resultado da eleição. (WSJ)

PEDIDOS DE SEGURO DESEMPREGO

 Os pedidos iniciais de auxílio-desemprego caíram para 709.000 na semana passada, ante 757.000 na semana anterior, o que sugere que as demissões estão diminuindo à medida que a economia em geral dá sinais de melhora. Embora os novos pedidos semanais tenham caído de um pico de quase 7 milhões no final de março, o indicador permanece bem acima dos níveis de cerca de 200.000 vistos antes do coronavírus chegar aos EUA. (WSJ)

RECONHECIMENTO DA CHINA

A China parabenizou Joe Biden e Kamala Harris por vencerem as eleições presidenciais dos EUA, encerrando dias de especulação sobre quando Pequim reconheceria formalmente a vitória. Foi Wang Wenbin, porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China quem proferiu o comunicado oficial. Xi JInping ainda não se pronunciou. (Bloomberg)

CORONAVÍRUS

Os EUA registraram um recorde de 153 mil novos casos em 24h. Na semana passada, a média foi de de 128.081 casos por dia, um aumento de 69% em relação à média de duas semanas atrás. O número de casos está aumentando em 49 Estados e territórios. A Califórnia se tornou o segundo estado do país, depois do Texas, a ultrapassar um milhão de casos no total. As infecções somam 10,5 milhões e 242 óbitos. No mundo os casos ultrapassam 52,7 milhões e 1,29 milhão de mortes. (Johns Hopkins / Financial Times)

HOJE

Na Ásia, os mercados fecharam no negativo. Os índices na Europa, nesta manhã, operam em leve alta. Os futuros nos EUA apontam para uma abertura positiva. Hoje saem os dados do PIB e desemprego na  União Europeia, PPI nos EUA e IBC-Br no Brasil.

Deixe uma resposta