O início da CPI da Pandemia e os destaques da semana

Panorama Semanal de 26 a 30 de abril*

DESTAQUES

O início da CPI da Pandemia foi um dos destaques da última semana de abril, quando o país registrou a triste marca de mais de 400 mil mortes decorrentes da pandemia. Por outro lado, há uma redução na média móvel semanal de óbitos. No exterior, as manchetes dos jornais se voltaram para a devastação causada pela Covid-19 na Índia.

COVID-19

No Brasil, de acordo com o monitoramento do Imperial College de Londres, a taxa de transmissão do coronavírus está em 0,93. É a primeira vez, em cinco meses, que o indicador fica abaixo de 1, o que é um fato positivo, refletindo desaceleração na transmissão da doença. Apesar da queda nos números de óbitos e casos, a situação ainda é crítica, segundo a Fiocruz. E uma terceira onda da doença não está descartada, principalmente por causa das variantes do coronavírus.

CPI DA PANDEMIA

Na CPI, a polêmica ficou em torno da decisão da Justiça do DF – após pedido da deputada Carla Zambelli – de impedir o senador Renan Calheiros de assumir a relatoria. Renan, no entanto, foi nomeado, após o TRF-1 derrubar a liminar. Ele afirmou que é preciso punir “imediata e emblematicamente” os responsáveis pelas mortes na pandemia. No STF, o ministro Lewandowski também negou o pedido de senadores governistas para excluir Renan da CPI. Na semana que vem, os ex-ministros da Saúde serão os primeiros a falar.

VACINAÇÃO

Enquanto isso, a vacinação avança, mas a produção e a compra de imunizantes enfrentam obstáculos. O Ministério da Saúde reduziu em 14,5 milhões a previsão de doses de vacinas para o mês de maio. Gerou ruído a decisão da diretoria da Anvisa de proibir a importação por dez estados da vacina Sputnik V, da Rússia. Os governadores falam em recorrer à Justiça. Segundo a Anvisa, a decisão foi técnica. A agência também pediu mais dados sobre a Butanvac, do Instituto Butantan.

ÍNDIA

Com a situação da pandemia fora de controle na Índia, entra em cena ainda mais um entrave à vacinação no Brasil, já que o país oriental é um grande produtor de vacinas e insumos.

VACINA

Entre as boas notícias, estão a entrega, pela Fiocruz, de 6,5 milhões de doses da AstraZeneca nesta sexta-feira e a chegada da primeira carga de vacinas da Pfizer ao país.

GUEDES

O ministro da Economia, Paulo Guedes, sem saber que estava sendo gravado em uma reunião do Conselho de Saúde, disse que “o chinês inventou o vírus, e a vacina dele é menos efetiva que a do americano”.

INFLAÇÃO

A disparada da inflação pelo IGP-M, que bateu 32% em 12 meses, é preocupante, tal qual a taxa de desemprego, que atingiu 14,4%, segundo o IBGE. São 14,4 milhões de pessoas, o maior número da série histórica registrado pelo órgão. Foram fechadas, durante a pandemia, 7,8 milhões de vagas.

EUA

Na economia norte-americana, as atenções se voltaram para a decisão do Federal Reserve, o banco central americano, de manter os juros no piso e para o discurso do presidente dos EUA, Joe Biden, no Congresso, às vésperas de completar seus 100 primeiros dias na Casa Branca. Biden falou do novo pacote de estímulos de US$ 1,8 trilhão, pediu que as pessoas se vacinem e defendeu os projetos e medidas de reforma do Estado, com impacto nos impostos. 

Apesar da recuperação da economia dos EUA – o PIB do país cresceu 1,6% no primeiro trimestre, o que equivale a 6,4% pela taxa anualizada -, Jerome Powell, presidente do Fed, afirmou que “ainda não está na hora” de discutir mudanças na política monetária. 

EUROPA

Na Europa, o PIB da zona do euro recuou 0,6% no 1º trimestre, levando o bloco à recessão.

BOLSA

No pregão desta quinta-feira, o Ibovespa sofreu desvalorização de 0,82%, a 120.065 pontos. O dólar caiu 0,47%, cotado a R$ 5,337.

Obrigada, bom fim de semana e até o próximo Panorama Semanal.

* Dados atualizados até as 9h do dia 30 de abril.

Deixe uma resposta