O atraso na compra das vacinas em 2020 e os destaques da semana

Panorama Semanal de 10 a 14 de maio*

DESTAQUES

Discussões, xingamentos, polêmicas e algumas revelações na CPI da Pandemia deram o tom do noticiário na semana. Fabio Wajngarten, ex-chefe da Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto, falou sobre negociações com a Pfizer, confirmando que houve atraso de pelo menos dois meses, no início do segundo semestre de 2020, para o governo responder a uma oferta da farmacêutica sobre vacinas. Enquanto isso, o país enfrenta hoje uma escassez de imunizantes. O Instituto Butantan pode interromper a produção de CoronaVac por falta de insumos, que estão parados na China, e a Fiocruz, que entregou mais 4 milhões de doses ao Ministério da Saúde esta semana, informou que só há matéria-prima suficiente para produção até a próxima semana.

ALERTA DA FIOCRUZ

Um aumento de casos de Covid-19 “será catastrófico”, alertou a Fiocruz. Isso porque o Brasil já se encontra em um platô elevado, embora nas últimas semanas o número de casos e óbitos tenha recuado. Uma das preocupações é o surgimento de novas variantes, com riscos de uma terceira onda da doença.  

CPI DA COVID

Voltando à CPI da Covid, o gerente-geral da Pfizer na América Latina, Carlos Murillo, disse que o governo do presidente Jair Bolsonaro não deu retorno quanto às propostas de contrato de compra de vacinas. A primeira tentativa teria sido em agosto de 2020. Wajngarten confirmou que uma carta da Pfizer foi enviada a autoridades do Executivo em setembro e que ficou mais de dois meses sem resposta. Murillo também revelou que Carlos Bolsonaro participou de reunião com a Pfizer para negociar a compra de vacinas, no Palácio do Planalto. Por isso, o filho do presidente da República deve ser convocado a prestar depoimento na CPI.

Um enorme bate-boca surgiu a partir do depoimento de Wajngarten, bastante aguardado por causa da entrevista dada à Revista Veja. Na CPI, no entanto, o ex-chefe da Secretaria de Comunicação do Palácio do Planalto, foi evasivo e negou ingerência da família Bolsonaro sobre a comunicação. O relator Renan Calheiros, então, disse que ia solicitar a gravação da entrevista e pediu que Wajngarten fosse preso por mentir, mas o presidente da CPI, Omar Aziz, negou. No fim da sessão, o senador Flávio Bolsonaro xingou Renan de “vagabundo”. O relator devolveu o xingamento e afirmou que Flávio “roubou dinheiro de pessoal do seu gabinete”. Pelo Twitter, Jair Bolsonaro disse que Renan não tem moral para prender ninguém, pois tem mais de 10 inquéritos no STF.

Quem também depôs esta semana foi o diretor-presidente da Anvisa, Antonio Barra Torres, que se mostrou contrário a várias ações do governo e condenou o uso de cloroquina. 

AQUISIÇÃO DE VACINA

Sobre o gargalo na produção das vacinas, o presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas, informou que não tem data prevista para o recebimento de insumos da China. Segundo ele, há insumo suficiente para produzir 18 milhões de doses, aguardando liberação na China. De acordo com o governador de São Paulo, João Doria, esse lote está travado por causa das declarações do governo sobre a China.

O Ministério da Saúde anunciou ter fechado o segundo contrato com a Pfizer, de 100 milhões de doses. As vacinas devem chegar a partir de setembro. 

ORÇAMENTO PARALELO

Outro assunto de destaque nos últimos dias foi o chamado Orçamento paralelo. De acordo com “O Estado de S.Paulo”, esse orçamento secreto, de R$ 3 bilhões, foi montado no fim de 2020 para garantir apoio ao governo no Congresso. O valor estaria sendo direcionado para a compra superfaturada de equipamentos agrícolas, como tratores, beneficiando alguns parlamentares e seus redutos eleitorais.

ORÇAMENTO DAS UNIVERSIDADES

Do outro lado, afetada por corte de verbas, estão as universidades federais. Esta semana, a UFRJ alertou para riscos de colapso e de ter que paralisar parcialmente suas atividades.

EUA

Na economia norte-americana, o assunto foi inflação. O Departamento do Trabalho informou que a inflação subiu 0,8% em abril, percentual acima das expectativas do mercado. Houve receio entre os agentes do mercado de que o Fed (banco central norte-americano) recuasse em sua política de juros baixos. Mas Christopher Waller, integrante do Fed, disse que a alta da inflação deve ter sido causada por fatores temporários e espera-se que ela volte à meta. Dados sobre Covid nos EUA, sinalizando um retorno da atividade econômica, contribuíram para um cenário global de mais otimismo.

CONFLITO NO ORIENTE MÉDIO

No Oriente Médio, é bastante tensa a situação, em meio ao maior conflito entre Israel e Palestina nos últimos sete anos. 

BOLSA

Na B3, além do cenário internacional e das questões políticas internas, os resultados têm sido influenciados pela temporada de divulgação de balanços. No pregão desta quinta-feira, o Ibovespa subiu 0,83%, a 120.705 pontos. O dólar ficou estável, com leve alta de 0,14%, cotado a R$ 5,311.

Obrigada, bom fim de semana e até o próximo Panorama Semanal. 
* Dados atualizados até as 10h do dia 14/5.

Deixe uma resposta