Pazuello e Ernesto Araújo na CPI da Covid e os destaques da semana

Panorama Semanal de 17 a 21 de maio*

DESTAQUES

Entre os destaques da semana no noticiários estão a Operação da PF que tem como alvo o ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, bem como os depoimentos do ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello e do ex-chanceler Ernesto Araújo na CPI da Pandemia. 

CPI DA COVID

Na CPI, Ernesto Araújo responsabilizou Pazuello pela falta de vacinas. Segundo ele, foi por decisão de Pazuello que o Brasil entrou tardiamente no consórcio de vacinas da OMS. Sobre a cloroquina, o ex-chanceler admitiu a atuação do presidente Jair Bolsonaro para que o Ministério das Relações Exteriores comprasse o medicamento, mesmo após a OMS ter se posicionado contra. Em relação à China, negou atritos e ataques, e foi repreendido pelo presidente da CPI, Omar Aziz, por ter mentido. A senadora Kátia Abreu chamou Araújo de “negacionista compulsivo” e disse que ele foi a “bússola que nos direcionou para o caos, para um iceberg, para um naufrágio”.

Em seu depoimento, Pazuello defendeu Bolsonaro, dizendo que ele não interferia nas questões do ministério – apesar de ter sido desautorizado publicamente pelo presidente quando tentou comprar a CoronaVac em 2020. Mas Pazuello disse que esse tipo de desautorização era “coisa de internet”. O ex-ministro da Saúde alegou ainda que a compra de vacinas da Pfizer demorou devido a pareceres contrários de CGU, AGU e TCU. Os pareceres desses órgãos, no entanto, desmentem o depoimento de Pazuello. A senadora Eliziane Gama resumiu: “O senhor já mentiu demais. Eu não tenho nem tempo para elencar todas elas (as mentiras)”.

O interrogatório de Pazuello, interrompido na quarta-feira, foi retomado na quinta-feira. Ele disse que não foi o único responsável pelo avanço da pandemia e, no caso caótico e trágico de Manaus, culpou o governador do Amazonas, Wilson Lima, pela falta de oxigênio. Segundo o relator Renan Calheiros, Pazuello fez 15 “afirmações falsas” na CPI.

VACINAÇÃO

Enquanto isso, a vacinação segue em ritmo lento Brasil afora, e o país corre o risco de enfrentar uma onda mais grave de Covid-19 com a chegada do inverno, de acordo com a Universidade de Washington. Após dias de queda, o número de óbitos por Covid-19 no Brasil voltou a apresentar estabilidade – em um patamar ainda elevado.

O Instituto Butantan, que interrompeu a produção da CoronaVac, esperava receber 4 mil litros de Insumo Farmacêutico Ativo (IFA) no próximo dia 26, suficientes para 7 milhões de doses, mas a China reduziu o volume para 3 mil litros. A Fiocruz, por sua vez, que também interrompeu a produção, deve receber da China neste sábado IFA para mais 12 milhões de doses da vacina AstraZeneca. A boa notícia é que, na quinta-feira, o embaixador da China, Yang Wanming, disse, após reunião com governadores, que a relação com o povo brasileiro é “fraterna”, e que o país oriental vai liberar, nos próximos dias, novos lotes de IFA para produzir 16,6 milhões de doses de CoronaVac e AstraZeneca. 

Os EUA anunciaram a doação de mais 20 milhões de doses de diversas vacinas até julho, além das 60 milhões já anunciadas. A doação, para vários países, é uma parceria com a Covax Facility, consórcio da OMS. 

VARIANTE INDIANA

Na Índia, a situação é crítica. O país é o que registrou o maior número de mortes por Covid-19 em 24 horas. A variante indiana preocupa o mundo. Já há casos de infectados com essa variante no Maranhão.

RICARDO SALLES

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, foi alvo de operação da PF Akuanduba, que resultou no afastamento do presidente do Ibama, Eduardo Bim. O foco são crimes contra a administração pública, como corrupção e facilitação de contrabando, por agentes públicos e madeireiros. Salles afirmou que a investigação da PF “não tem substância”.

LULA

Ao veículo francês Paris Match, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, falou que será candidato, em 2022, contra Bolsonaro. 

PRIVATIZAÇÃO

A Câmara dos Deputados aprovou o texto da medida provisória que permite a privatização da Eletrobras.

FED

Lá fora, um dos destaques foi a ata do Fed (Federal Reserve, o banco central americano) mostrando que está se começando a discutir a redução dos estímulos, a partir da melhora dos indicadores e da recuperação da economia. O número de pedidos semanais de auxílio-desemprego nos EUA, por exemplo, caiu.

CRIPTOMOEDAS

A derrocada no mercado de criptomoedas também ganhou espaço no noticiário. O bitcoin, que chegou a recuar 30% na quarta-feira, voltou a ganhar força no dia seguinte.

PALESTINA

Após pressão internacional, entrou em vigor um cessar-fogo no conflito entre israelenses e palestinos.

BOLSA

No pregão desta quinta-feira, o Ibovespa fechou quase estável, leve alta de 0,05%, a 122.700 pontos. O dólar recuou 0,73% a R$ 5,277.

Obrigada, bom fim de semana e até o próximo Panorama Semanal

* Dados atualizados até as 9h30 do dia 21/5

Deixe uma resposta